Jornal do Brasil

Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

País

Camargo Corrêa tentou proteger Edison Lobão, afirma executivo

Jornal do Brasil

O ex-gerente de Relações Institucionais da Camargo Corrêa Gustavo da Costa Marques afirmou, em depoimento prestado no mês passado à Polícia Federal, que omitiu informações da Operação Lava Jato para seguir “versão estabelecida” pela empreiteira. O executivo teria explicado que escondeu dos investigadores a participação de um empresário, apontado como operador do PMDB no esquema de corrupção nas obras da Usina de Belo Monte. Além disso, acrescentou ter pago propina em dinheiro em espécie ao senador peemedebista Edison Lobão (MA), que na época era ministro de Minas e Energia do governo Dilma Rousseff. As informações são do Estado de S. Paulo.

De acordo com a reportagem, Costa Marques, que trabalhou por 16 anos para a Camargo, é um dos colaboradores do acordo de leniência firmado pela construtora e vários de seus dirigentes com o Ministério Público Federal (MPF) no Paraná. Ainda segundo o Estadão, em 2011, ele passou a ser o responsável pelo escritório de representação da empresa em Brasília e a ter ligações com Lobão. A ex-mulher de Costa Marques exerce desde o ano passado cargo comissionado no gabinete do senador peemedebista, diz o texto.

Camargo Corrêa tentou proteger Edison Lobão, afirma executivo
Camargo Corrêa tentou proteger Edison Lobão, afirma executivo

A reportagem destaca que os delatores da Camargo teriam admitido que 1% do valor do contrato da usina, tocado pela empresa em consórcio com a Andrade Gutierrez e a Odebrecht, era repassado a políticos do PT e do PMDB. Conforme depoimentos já revelados, ao menos R$ 2 milhões foram pagos a Lobão por, supostamente, ter ajudado a criar o consórcio e para que não impusesse obstáculos à obra. O caso é investigado em inquérito sigiloso no Supremo, sob relatoria do ministro Edson Fachin.

Para que os recursos chegassem ao então ministro, a Camargo teria feito dois contratos falsos com a AP Energy Engenharia e Montagem, entre 2011 e 2012. A empresa, com sede em Santana de Parnaíba, na Grande São Paulo, não teria prestado serviços, mas apenas recebido os recursos para repassá-los ao peemedebista.

A defesa do senador Edison Lobão (PMDB-MA) sustenta que a colaboração de Gustavo da Costa Marques tem de ser anulada por ele ter admitido que “mentiu” em depoimentos supostamente orientados pela Camargo Corrêa.

“Ou você fala a verdade ou perde o direito à delação. Nesse caso, não houve espontaneidade”, afirmou nesta segunda-feira, 14, o criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que representa Lobão. Ele negou que seu cliente tenha recebido “qualquer coisa” do executivo e se disse “perplexo” com a mudança de versões. “Não pode haver recall.”

>> Veja a reportagem na íntegra

Tags: camargo, depoimento, edison, empreiteira, jato, lava, lobão

Compartilhe: