Jornal do Brasil

Sexta-feira, 20 de Outubro de 2017

País

Ibsen Pinheiro: "Votação será apertada, mas impeachment não vai passar"

Peemedebista era presidente da Câmara na época do impeachment de Collor

Jornal do Brasil

Presidente da Câmara dos Deputados na época em que Fernando Collor sofreu processo de impeachment, o presidente do PMDB gaúcho Ibsen Pinheiro disse, em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo desta segunda-feira (28), que defende o afastamento de seu partido do governo da presidente Dilma, mas se arrisca a afirmar que a chefe do Executivo não será destituída no processo contra ela. 

"Naquela ocasião (1992), aritmeticamente, a aprovação (do impeachment contra Collor) não foi unânime. Mas politicamente foi. Só votaram com Collor uns 30 e poucos parlamentares, por lealdade pessoal, sabendo do resultado. Hoje eu não diria que o resultado já é conhecido. Até me arrisco a uma previsão: a votação vai ser apertada, mas o impeachment não passa. Se for preciso contar votos, acho que dois terços é impossível. Acho pouco provável chegar a 342 favoráveis", argumenta Ibsen.

Governo contabiliza para si ausências e abstenções na votação do processo de impeachment
Governo contabiliza para si ausências e abstenções na votação do processo de impeachment

Para ele, a presidente Dilma não precisa de 172 votos no Plenário para barrar o impeachment, como vem sendo contabilizado, já que, segundo ele, "estarão a favor do governo os votos contra o impeachment, os votos de abstenção e as ausências".

"Não precisa (de 172 votos). Se for 341 a zero, o impeachment não passou. A ausência é uma posição contra o impeachment. Tem que somar o voto 'não' à ausência e à abstenção. É possível que um deputado que não queira votar não, por causa da opinião pública, não compareça. Para o impeachment não passar o governo só precisa que não chegue a 342 votos favoráveis. Só disso", disse o peemedebista.

À época em que presidiu a Câmara, Ibsen Pinheiro disse, ao votar pelo impeachment de Collor, que "O que o povo quer, esta casa acaba querendo". Hoje, porém, ele assegura que o cenário é diferente, já que "falta o sentimento de unanimidade". Dilma ainda possui apoio de diversos setores da sociedade, justifica o ex-deputado.

"Falta o sentimento de unanimidade. O impeachment é amplamente majoritário no sentimento popular, mas não posso concluir que é unânime. Ao contrário do Collor, Dilma tem apoio de um partido que tem base social e inserções nos movimentos sociais, sindicatos, em alguns segmentos intelectuais..", afirma Ibsen.

Tags: base, collor, câmara, dilma, ibsen pinheiro, impeachment, pmdb, processo, votação

Compartilhe: