Jornal do Brasil

Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

País

Mega-Sena: senador cobra providências da CEF sobre suspeitas de fraude

Jornal do BrasilAna Siqueira*

O senador Alvaro Dias (PSDB) encaminhou nesta segunda-feira (30) um ofício à presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), Miriam Belchior, cobrando providências sobre as suspeitas de fraudes envolvendo as loterias. O principal questionamento do líder da oposição no Senado se refere ao concurso 1764 da Mega-Sena, realizado na última quarta-feira (25), que sorteava o maior prêmio da história do Brasil. Segundo o parlamentar, a CEF inicialmente teria informado que o valor se acumularia pela décima vez consecutiva. Momentos depois, anunciou que um único apostador de Brasília (DF) levou o prêmio de mais de R$ 205 milhões.

Em discurso no plenário da Casa na tarde desta segunda-feira, Alvaro Dias ressaltou a repercussão do episódio nas redes sociais e lembrou denúncias antigas em relação aos sorteios. “Não é um assunto novo. Em 2004 e 2005, especialmente em 2005, denunciei desta tribuna, com base em informações sigilosas fornecidas pelo COAF [Controle de Atividades Financeiras], que com muita sorte alguns jogadores ganhavam muitas vezes na loteria. Um deles chegou a ganhar 525 vezes”, ironizou o senador. À época, a Caixa informou que estava colaborando com as investigações e “tomando todas as providências de abertura de processos disciplinares, apuração de responsabilidades e afastamentos, nos casos de envolvimento de empregados do banco”.

Alvaro Dias cobra providências da Caixa Econômica Federal sobre suspeitas de fraude em sorteios
Alvaro Dias cobra providências da Caixa Econômica Federal sobre suspeitas de fraude em sorteios

Ainda assim, o senador atesta que até agora os resultados das investigações do Ministério Público Federal e da PF não são conhecidos e cobra esclarecimentos sobre quais foram as medidas administrativas efetivamente adotas pela CEF a respeito do assunto. “Essa denúncia teve como consequência a instauração de um inquérito policial que tramita na 2ª Vara da Justiça Federal, mas esse inquérito ainda não apresentou seus resultados definitivos”, afirmou Dias, que é também autor de um projeto de lei para evitar a lavagem de dinheiro em sorteios.

Ainda em tramitação e sob a relatoria de José Pimentel (PT), o PL nº 62, de 2007, estabelece normas para o sacador que vencer qualquer sorteio, como a comprovação da origem dos recursos das apostas e a verificação de seus antecedentes criminais. O texto ainda prevê a constituição de um banco de dados para identificar sacadores reincidentes e exige que, antes de efetivar pagamentos de prêmios, o gerente tenha que comunicá-los ao COAF e à Central de Loterias.

“O que se pretende é maior transparência nas ações que a CEF desenvolve administrando as loterias, afinal elas fazem parte das vidas de milhões de brasileiros. Acalentam o sonho de melhorarem de vida ganhando um prêmio. Muitas pessoas pobres acabam aplicando recursos na esperança de que o sorteio de uma das loterias possa brindá-los com um prêmio. Vamos aguardar as previdências da Caixa para analisarmos as hipóteses de novas providências”, disse o senador em seu discurso ao plenário. Ao JB, Alvaro Dias confessou não ter expectativas positivas em relação à resposta da instituição.

“Eu acho que não vai ser alguma coisa muito diferente, a Caixa vai dar uma resposta habitual dizendo que houve equívoco na informação, o que não significa que houve equívoco no sorteio”, afirmou, apostando que o retorno deve acontecer em breve porque seu ofício foi protocolado diretamente na presidência do banco. Dentre as novas providências cogitadas pelo parlamentar estão, de acordo com ele, o encaminhamento das denúncias ao Ministério Público Federal. Tudo isso, porém, depende do teor da resposta da Caixa.

Em seu ofício, Alvaro Dias também lembrou as fraudes investigadas pela Operação Desventura, deflagrada pela Polícia Federal em setembro deste ano. O esquema, que tem o ex-jogador Edílson Capetinha na lista de suspeitos, teria supostamente desviado mais de R$ 60 milhões em bilhetes premiados, não sacados pelos ganhadores, que deveriam ser destinados ao Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). De acordo com a PF, a investigação apontou para a participação de correntistas da CEF que eram escolhidos pela quadrilha para movimentar grandes volumes financeiros, além de recrutar gerentes do banco para que eles viabilizassem o recebimento do prêmio por meio de suas senhas, validando de forma irregular os bilhetes falsos.

Episódio mais recente de suspeitas diz respeito ao sorteio nº 1764 da Mega-Sena, na última quarta
Episódio mais recente de suspeitas diz respeito ao sorteio nº 1764 da Mega-Sena, na última quarta

Embora tenha ficado fora do texto enviado à presidente da Caixa, em 2004 Alvaro Dias e o então senador Demóstenes Torres pediram esclarecimentos da Caixa sobre o concurso 529 realizado em Rio das Ostras (RJ), no qual 15 apostadores do Nordeste ganharam um prêmio no valor de R$ 348.732,75 cada. A tese dos parlamentares era de que, com a diferença de horários entre o local onde foi realizado o sorteio das dezenas e o fechamento das apostas na região, seria possível fraudar a Mega-Sena. Na ocasião, a CEF refutou as denúncias dizendo que os terminais são interligados a um servidor central e desligados no mesmo horário, o que impossibilita quaisquer fraudes. 

“Além das denúncias passadas, solicito a Vossa Senhoria os esclarecimentos cabíveis sobre imprecisões e falhas na divulgação do resultado do sorteio em epígrafe, e a respeito do episódio de o site/portal utilizado pelas loterias federais ter ficado fora do ar durante algumas horas na data em questão. Igualmente solicito informações sobre eventuais medidas desta instituição no sentido de aprimorar os mecanismos de fiscalização envolvendo os procedimentos que integram o processo de sorteio das Loterias Federais”, disse o parlamentar em seu ofício.

O JB entrou em contato com a assessoria de imprensa da Caixa Econômica Federal, que afirmou ainda não ter recebido o ofício do senador Alvaro Dias. De acordo com a instituição, tão logo o texto seja recepcionado pelas pessoas responsáveis, a Caixa irá se manifestar sobre o assunto. Acerca das dúvidas a respeito do concurso nº 1764 da Mega-Sena na última quarta, a CEF divulgou nota oficial atestando que, "exclusivamente na tela inicial das Loterias no site, houve atraso na atualização dos dados, o que manteve a palavra "acumulou" referente ao sorteio anterior. No entanto, desde o primeiro momento, as informações sobre o referido concurso foram atualizadas normalmente na página específica da modalidade Mega-Sena e no aplicativo da CAIXA para celular".

Tags: cef, denúncia, fraude, mega-sena, senador, sorteio

Compartilhe: