Jornal do Brasil

Sábado, 23 de Junho de 2018 Fundado em 1891

País

Senado adia discussão de projeto que tipifica crime de terrorismo

Jornal do Brasil

Sem conseguir um acordo sobre o projeto de lei (PL) que tipifica o crime de terrorismo, os senadores decidiram hoje (11) adiar a votação da matéria. O mais provável é que os senadores discutam na próxima semana o texto do PL 499/2013, de autoria do senador Romero Jucá (PMDB-RR).

Após reunião de líderes nesta terça-feira, os senadores ficaram em dúvida se seria votado o projeto de Jucá ou o que foi elaborado no âmbito da reforma do Código Penal, relatado pelo senador Pedro Taques (PDT-MT). Como o projeto de Jucá já está na pauta do Senado e, portanto, em tramitação mais adiantada, o mais provável é que ele seja debatido. Entretanto, na próxima semana, em nova reunião de líderes, os partidos deverão apresentar os pontos mais relevantes que desejam ver incluídos no texto a ser aprovado.

Embora a maioria dos senadores considere necessário sanar o vácuo legislativo em relação ao crime de terrorismo, o projeto de Jucá encontra resistência dos partidos mais próximos aos movimentos sociais. “Eu não sei o que pode vir de uma lei que quer, claramente, tipificar movimento sociais como terroristas”, protestou o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP).

Assim como ele, o líder do PT, Humberto Costa (PE), demonstrou preocupação com a preservação do direito à livre manifestação. Segundo Costa, a orientação do Palácio do Planalto é que se dê “resposta a essa questão”.  “A preocupação é deixar claro o que se enquadra como terrorismo de forma muito objetiva. Para que não haja agressão à liberdade”, disse. Na opinião do senador, seria possível unir partes dos dois projetos em busca de um texto mais completo.

Outra questão que preocupa os senadores é que, com a futura lei, ações como as dos black blocs sejam enquadradas como crime de terrorismo. Alguns senadores foram ontem (10) à tribuna para falar sobre a morte do cinegrafista da TV Bandeirantes Santiago Andrade e pedir a aprovação da lei antiterrorismo. Hoje, a relação entre os dois assuntos foi rechaçada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e outros parlamentares. “Esse rapaz que soltou o rojão não é um terrorista, é um homicida”, afirmou Renan.

No mesmo sentido, o autor do projeto também procurou evitar que seu projeto seja relacionado a casos específicos, como o de Santiago, a ações promovidas por alguns militantes de causas sociais. “Não podemos utilizar esse fato lamentável para criminalizar movimentos sociais”, disse p senador.

Além do projeto antiterrorismo, também foi adiada a votação da Medida Provisória (MP) 526/2013, que abre créditos extraordinários para o Programa de Financiamento Estudantil (Fies), e da proposta de emenda à Constituição que limita a criação de ministérios e autarquias federais por meio de lei complementar. Embora a MP esteja trancando a pauta, o líder do governo, Eduardo Braga (PMDB-AM), lembrou que ela tem prazo “ainda bastante dilatado” para vencer, o que propiciou o adiamento da votação. Os dois temas devem ser retomados amanhã (12).

Agência Brasil


Tags: Atos, análise, parlamentares, protestos, terror

Compartilhe: