Jornal do Brasil

Segunda-feira, 29 de Agosto de 2016

País

No twitter, Dilma se diz surpresa com influência dos EUA no golpe de 64

Presidente assistiu documentário que conta detalhes da implantação do golpe

Jornal do Brasil

A presidente Dilma Rousseff afirmou neste sábado (19), em sua conta no Twitter, que ficou surpresa com a "interferência" dos Estados Unidos na implantação do golpe militar no Brasil, após ter assistido na noite anterior o documentário  "O Dia que Durou 21 anos". O filme, do diretor Camilo Tavares, aborda detalhes da situação política anterior ao golpe de 1º de abril de 1964. 

"Mesmo quem viveu os anos 60 fica surpreso com a extensão da interferência americana no Brasil naquele momento", escreveu a chefe do Executivo, que ainda recomendou a película a seus quase 2 milhões de seguidores.

Dilma comenta no Twitter o filme "O Dia que Durou 21 Anos", de Camilo Tavares.
Dilma comenta no Twitter o filme "O Dia que Durou 21 Anos", de Camilo Tavares.

A petista comentou o trabalho de Tavares e afirmou que o filme mostra um grande apanhado de gravações e documentos norte-americanos. "O filme exibe um precioso acervo de gravações e documentos oficiais dos EUA", ressaltou Dilma. A presidente ainda acrescentou que o longa "mostra gravações dos presidentes americanos, à época, endossando articulações do embaixador Lincoln Gordon a favor do golpe no Brasil".

A importância de trabalhos como o de Tavares, que trazem à tona a história política do Brasil, foi ressaltada por Dilma. "Conhecer a historia do Brasil ajuda a entender melhor como chegamos a ser o que somos. Olhar para trás é importante. Assim aprendemos com os erros e reafirmamos nossos acertos".

O filme foi visto pela presidente em uma sessão exclusiva de cinema no Palácio da Alvorada, na noite desta sexta-feira (18), na presença de alguns convidados.

A história contada por Tavares mostra a participação do governo norte-americano na instalação do golpe militar de 1964, que teve como um dos principais articuladores o então embaixador norte-americano no Brasil.

Tavares realizou uma pesquisa que durou três anos de pesquisa, reunindo gravações em poder do National Security Archives, além de documentos secretos da CIA, a agência de inteligência dos EUA. O documentário ainda concorreu à indicação para disputar o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, mas perdeu para o filme “O Som ao Redor”, do pernambucano Kléber Mendonça.

Tags: brasil, dilma, ditadura, EUA, filme, golpe, influência, presidente

Compartilhe: