Jornal do Brasil

Segunda-feira, 18 de Junho de 2018 Fundado em 1891

País

Seca deixa 833 cidades nordestinas em situação de emergência

Jornal do Brasil

O Nordeste registra 833 cidades em situação de emergência pela seca atípica que atinge a região em um período que deveria ser chuvoso. Em quatro dos nove Estados nordestinos, 4 milhões de pessoas foram afetadas, segundo levantamento feito pelo Terra junto as defesas civis estaduais. O número deve aumentar ainda mais porque cinco cidades do Maranhão deram entrada no pedido de decreto de emergência. Em alguns Estados essa é uma das piores secas dos últimos 30 anos.

Segundo nota técnica elaborada pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a situação pode ficar ainda mais crítica na região porque a seca ocorre em um período que seria chuvoso e não há previsão de chuvas até agosto, quando ocorre o período de estiagem. Com isso, os Estados entram no período característico de seca com os reservatórios de água muito abaixo do normal.

Na Bahia, quase a metade dos 417 municípios estão em estado de emergência. São 239 cidades que sofrem com a seca, que afeta 2,7 milhões de pessoas. A barragem de Mororós, que abastece a maior parte da região rural, está com 12% da capacidade e até mesmo na zona urbana o racionamento de água está sendo realizado, como é o caso da cidade de Vitória da Conquista. Essa é considerada a pior seca dos últimos 40 anos no Estado.

Proporcionalmente, o Estado do Rio Grande do Norte é o mais afetado. Segundo o coordenador estadual da Defesa Civil, coronel Josenildo Acioli, 136 dos 167 municípios estão em situação de emergência. Ele considera está como a pior seca dos últimos 30 anos. Segundo ele, os municípios estão demorando para repassar as informações sobre a seca o que tem prejudicado a velocidade de resposta das autoridades estaduais e federais.

"O governo está fazendo a sua parte, agora cabe aos municípios fazerem a sua, prestando as informações, porque o envio ágil desses dados ajuda a saber o que está acontecendo nessas localidades", disse.

A Paraíba é outro Estado Nordestino que sofre com a seca em 170 dos 223 municípios. De acordo com o gerente de apoio logístico da Defesa Civil, George Sabino, 700 mil pessoas foram afetadas na zona rural. "Essa é uma das piores secas dos últimos 30 anos, segundo os institutos de meteorologia".

O Piauí também vive uma das piores secas históricas com 114 cidades em situação de emergência. A expectativa é de que esse número aumente nos próximos dias já que os serviços de meteorologia prevêem que a estiagem deve continuar nos próximos meses. Segundo o governo estadual, na regão são registrados um dos menores índices pluviométricos do País.

Segundo análise do Inmet, os indicies pluviométricos foram muito baixos no primeiros meses de 2012. Para se ter uma ideia da situação, no norte da Bahia não foi registrada chuva em nenhum dia no mês de março. No Rio Grande do Norte, em abril, os índices chegaram a 5% da média histórica na região.

A previsão é de que nos próximos meses a chuva chegue com intensidade acima do normal no centro-norte nordestino. No entanto, no semiárido, a região mais afetada, as chuvas devem ser escassas, como é normal todos os anos, já que partir deste mês de maio, inicia-se o período de seca.

Portal Terra


Tags: Maranhão, Paraíba, Previsão, chuvas, inmet, semiarido

Compartilhe: