Jornal do Brasil

Segunda-feira, 20 de Outubro de 2014

País

Royalties: Dilma defende estados produtores de petróleo e é vaiada

Jornal do Brasil

A presidente Dilma Rousseff (PT) defendeu os estados produtores do petróleo e a manutenção dos contratos já licitados durante a aberta da 15ª Marcha dos Prefeitos, em Brasília. O evento reuniu cerca de 3,5 mil prefeitos na capital e, em sua imensa maioria, eles favoráveis a uma nova partilha dos roylaties do petróleo. A presidente foi vaiada pelos políticos pelo seu posicionamento. 

"Petróleo, vocês não vão gostar do que eu vou dizer. Não acreditem que vocês conseguirão resolver a distribuição de hoje para trás. Lutem pela distribuição de hoje para frente", disse Dilma Rousseff. O pronunciamento foi uma resposta a alguns prefeitos, que pediram da presidente um posicionamento a respeito da questão. 

Parlamentares dos estados produtores querem que Dilma vete o texto aprovado no Senado
Parlamentares dos estados produtores querem que Dilma vete o texto aprovado no Senado

A polêmica dos royalties envolve a briga por estados produtores e não produtores pelos tributos pagos aos estados onde o petróleo é extraído. Hoje, Rio de Janeiro e Espírito Santo são os principais beneficiados pelo modelo.

A visão de Dilma é oposta à do presidente da Confederação Nacional dos Municípios, Paulo Ziulkoski. Ele acredita que não existe município ou estado produtor. Para os defensores desta teoria, o petróleo pertence exclusivamente à União e deve ser repartido igualmente entre todos os estados.

“Não tem município produtor, nem estado, o que tem é confrontante. O que aquele municípios fez para ter aquele petróleo? Não tem produtor, é confrontante, ninguém está mexendo em contrato. Queremos honrar todos os contratos, o que estamos discutindo é a apropriação do produto do contrato”, disse Paulo Ziulkoski. 

Tags: confederação nacional de municípios, Dilma Rousseff, Espírito Santo, estados produtores, não produtores, paulo ziulkoski, Petróleo, Rio de Janeiro, royalties

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.