Jornal do Brasil

Quarta-feira, 23 de Abril de 2014

País

Dilma quer construir mais 600 mil casas

Investimentos e Notícias

Ao lançar a segunda fase do Programa Minha Casa Minha Vida, hoje, no Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff propôs fazer uma revisão da meta daqui a um ano. O programa tem por objetivo financiar, até o fim do governo, 2 milhões de moradias para famílias de baixa e média renda. Dilma acredita que, no próximo ano, o governo possa "ousar" e propor a construção de mais 600 mil unidades.

"Uma meta que se atinge deixa de ter validade porque se provou que se conseguiu a meta. Agora temos que buscar uma meta ainda maior. Eu quero aqui lançar um desafio. É fato que vamos fazer esses dois milhões [de moradias]. Se daqui a um ano estivermos em um ritmo adequado, mostrando nossa capacidade de fazer mais, vamos ampliar os recursos e nós vamos fazer mais 600 mil casas", disse a presidenta durante a cerimônia.

Presidente fala durante o lançamento do Minha Casa, Minha Vida 2
Presidente fala durante o lançamento do Minha Casa, Minha Vida 2
Presidente fala durante o lançamento do Minha Casa, Minha Vida 2
Presidente fala durante o lançamento do Minha Casa, Minha Vida 2

Dilma explicou que é possível superar essa meta porque, além da Caixa Econômica Federal, que financiou as unidades da primeira fase nessa segunda edição do Minha Casa Minha Vida, o Banco do Brasil também atuará como financiador. "A caixa vai continuar e agora nós temos também o Banco do Brasil", disse a presidente.

A segunda fase do Programa Minha Casa, Minha Vida, prevê a construção de 2 milhões de unidades habitacionais. Serão investidos R$ 125,7 bilhões entre 2011 e 2014. Desse total, R$ 72,6 bilhões são para subsídios e R$ 53,1 bilhões serão destinados a financiamentos.

A segunda etapa prevê a ampliação das faixas de renda familiar nas áreas urbana e rural, para aumentar o número de beneficiários do programa, priorizando a população de baixa renda. A meta de atendimento para as que recebem até R$ 1,6 mil por mês na área urbana e até R$ 15 mil anuais na zona rural subiu de 40%, na primeira segunda fase, para 60%. Com isso, 1,2 milhão de moradias serão destinadas a essas famílias.

Dilma também disse que o governo vai estudar uma forma de financiamento especial para os chamados produtos da linha branca, como eletrodomésticos, geladeiras, fogões, televisões e outros. No entanto, Dilma não disse quando o governo poderá lançar essa linha de financiamento.

“De fato esse programa enseja uma demanda sobre a linha branca. As pessoas, quando mudam para uma casa nova, querem, muitas vezes, melhorar, comprar uma geladeira, trocar a sua cama, enfim. Vamos primeiro ver o nosso desafio de mais 600 mil unidades. Vamos cumpri-lo. Depois, vamos olhar se podemos também já agregar uma linha de financiamento para a linha branca", disse Dilma. As informações são da Agência Brasil.

Tags: 600 mil casas, CONSTRUÇÃO, dilma

Compartilhe:

Comentários

5 comentários
  • Renato Stofel Cavalcanti, Rio de Janeiro

    Se não ficar só na promessa ficará muito bom!

  • adriana sales moreira de souza, exu-PE

    Muito boa esta proposta da precidente de almentar a quantidade de moradias,financiadas.

  • roberto, rio de janeiro

    Essa estória eu já conheço, o discurso é maravilhoso para a ação são desastrosas.Falo sobre o Rio de Janeiro as construções feita pelo PAC, para o projeto minha casa minha vida, são construídas longes dos centros urbanos, mesmo que o trabalhador queira, ele não consegue morar, ou seja, a velha política onde os governantes moram na Zona Sul, centro ou Barra da Tijuca e empurram a classe mais pobre para moram no interior(nos Sub-bairros) longe de tudo(médico, trabalho, educação, lazer e outros serviços públicos).Pergunto: Porquê não usam prédios públicos abonados no centro, zona norte da cidade transformando em residências para a população, que ficaram proximas ao trabalho e aos atendimentos públicos, que nada, os governantes só gosta de povo na época das eleições, depois somem. Em manguinhos o governo Federal junto com o Estadual construíram apartamentos para a população, aquele conjunto onde um menino foi chamado de Otário por um governante, hoje os bandidos tomaram os apartamentos e deram para seus parentes alugarem e ninguém faz nada, é pura enganação.

  • Edneia trindade dos santos, Embu das Artes sp

    eu gostei muito do projeto minha casa minha vida e uma boa oportunidade para quem nao tem um teto para morra e miito bom eu acho que as pessoas mais probres poderia compra pelo preco mais rasuavel eu messmo se eu poder irei compra tambem amei o projeto e maravilhoso

  • Fabiana, Sertãozinho-SP

    Sim o Brasil está precisando muito de moradias poplular.
    Parabéns a senhora por isso, mas sinceramente 600 mil
    eu ainda acho pouco, isse numero só daria para o estado
    de São Paulo e olha lá se não iria faltar heim. Parece
    que os politicos estão tão bem de vida, que não percebem
    a situação do povo, não tem nem idéia de como bilhões de
    brasileiros pagam aluguél e outros dormem nas ruas.
    Falo isso pq casei agora e pagamos aluguel, o salario minimo
    não da nem pra investi num lar próprio, minha mãe também
    paga aluguel, só aqui na minha cidade de Sertãozinho interior
    de São Paulo, na fila de inscrições compareceram 7 mil pessoas.
    Isso sem contar que com o passar de tempo, muitos de outra cidade
    vem pra minha pra tentar a vida e também querem moradia.
    Parabéns a Dilma que deu continuidade a esse programa
    Minha casa minha Vida, o melhor de todos.

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.