Jornal do Brasil

Quarta-feira, 20 de Agosto de 2014

País

Valorização do professor é eixo central do novo Plano de Educação, diz ministro

Agência Brasil

BRASÍLIA - O ministro da Educação, Fernando Haddad, afirmou nesta segunda-feira que a valorização do professor será o eixo central do novo Plano Nacional de Educação (PNE), que deve ser entregue pelo governo ao Congresso Nacional na próxima quarta-feira.

Durante participação no programa Café com o Presidente, Haddad afirmou que o texto terá metas para cada etapa da educação, desde a infantil até a profissional. Mas, segundo ele, a próxima década precisa ser do professor.

“O professor brasileiro ainda ganha, em média, 60% do que ganham os demais profissionais de nível superior, e nós queremos encurtar essa distância para que a carreira do magistério não perca talentos para as demais profissões”, disse.

Valorização do professor é eixo central do novo Plano de Educação, diz Fernando Haddad. Foto: Agência Brasil
Valorização do professor é eixo central do novo Plano de Educação, diz Fernando Haddad. Foto: Agência Brasil

O ministro lembrou que, na semana passada, dados do Programa Internacional de Avaliação Estudantil (Pisa) indicaram que o Brasil foi o terceiro país avaliado que mais evoluiu na qualidade da educação – ficando atrás de Luxemburgo e do Chile.

Para Haddad, o estudo demonstra que a educação brasileira está “no rumo certo”, crescendo em quantidade mas também em qualidade. “Agora, trata-se de acelerar o passo”, concluiu.

Tags: haddad, pne

Compartilhe:

Comentários

6 comentários
  • Maria Helena Correa, Rio

    Fico feliz em ver que Haddad vai continuar no governo Dilma, será uma garantia de continuidade da política educacional. Desde Getúlio Vargas, que valorizava o ensino - e disso dou testemunho - foi o primeiro governo a recuperar o tempo perdido.

  • Francisco Leido, Natal

    Espero que não seja mais um plano cheio de boas intenções mas que na prática não resulta em nada, a exemplo do badalado Piso Nacional do Magistério que só existe no papel.

  • Me.R.J.Gomes Prett, Amsterdam

    Quero parabenizar o pronunciamento do ministro.
    Entretanto acredito que a valorização precisa vir da classe de educadores em primeiro lugar.
    Resido há cerca de 20 anos nos Países Baixos. Aqui estudei Letras em Espanhol e Jornalismo.
    Há cerca de dois anos tento conseguir o reconhecimento dos meus diplomas holandêses aí no Brasil. Minha última tentativa foi junto à Universidade Federal de Santa Catarina. Entretanto esta entidade recusou-se em reconhecer meus diplomas.
    Tive uma excelente formação aqui nos Países Baixos, com professores de renome internacional, com cartas de recomendação na área de ensino dos meus professores por ter obtido a maior nota da classe entre alunos de várias nacionalidades. Participei de vários congressos europeus. Tenho um curriculo de trabalh que vai desde a ONU a vários setores privados. Tenho domínio excelente de vários idiomas. No entanto não consegui reconhecimento para os meus diplomaas aí no Brasil.
    Queria levar minha bagagem de conheciemento para ajudar na construção do meu país. Mas fui barrado pela própria classe.
    Quem sabe a nova administração em Brasilia resolverá estas questões burocráticas impedindo o bom profissional de trabalhar.

    Atenciosamente,

    R. J. Gomes Prett

  • arlindo figueira,

    Desde quando vivemos um tipo de estelionato da educação de qualidade, segurança e saude, etica.,moralidade publica?

  • Leticia Sant Ana, Rio de Janeiro

    Parabéns, Ministro.
    Uma grande Nação se constrói com Escolas de qualidade e
    com o reconhecimento dos Professores.
    Sou Professora de Química leciono no Estado do Rio de Janeiro,
    fico feliz com sua atenção e aguardo atenção!
    Abraços

  • Walter Hauer, Curitiba

    Olho do patrão! Se todos os funcionarios públicos de todos os escalões, fossem obrigados a matricular seus filhos em escola pública, seria uma forma de eliminar este apartheid do estado, e recuperar o sentimento humano do remorso nestas sinecuras que usam o dinheiro da iniciativa privada, para terem serviços de exelência, e restituirem a sociedade da violencia do desprezo destes tiranetes proprietários de emprego públicos, e da vergonha da impunidade mecantilista desta podre e corrupta "elite" colonialista dona do Brasil.

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.