Jornal do Brasil

País - Artigo

Horário eleitoral, o ridículo

Jornal do Brasil EVANDRO GUIMARÃES, evandrog44@gmail.com

O maior tempo é para velhos caciques que, em grande parte, estão sendo investigados e processados. Que fizemos do Brasil? Temos nas rádios e televisões uma mentira generalizada. Uma antevisão infernal do que serão os executivos e legislativos. Temos uma grande encenação de promessas e afirmações levianas de candidatos que sabem (e sabem que nós sabemos) que não valem nada. É um teatro interativo da parte mais miserável da cidadania. Um arranjo funesto que lota de desesperança nosso futuro, nos estados e no plano federal.
Todos sabemos disso e nada fazemos. É preciso que surjam propostas, mesmo que absurdas, para sairmos dessa situação ridícula. Reforma Política, nome genérico e guarda chuva obscuro mas, que precisamos enfrentar. Apesar de saneadora, a proibição de doação de pessoas jurídicas para campanhas, não mudou muito. As cartas continuam marcadas: o fundo eleitoral distribui dinheiro público principalmente para quem já tem poder no lixo partidário vigente... E, pior, quem tem dinheiro se locupleta para obter posições de poder com seu dinheiro, retroalimentando suas respectivas fortunas.
A desigualdade se instalou com força maior. A proibição de empresas comprarem as simpatias de candidatos previamente foi uma grande mudança, construtiva. O que não foi nada construtivo foi a mídia não revelar outras empresas que compraram e quais simpatias compraram em 2104. A imprensa ficou centrada nos escândalos de Odebrecht e JBS... Alguém acredita que as empresas que em 2014 doaram dezenas de milhões fizeram isso por objetivos mais nobres que as duas empresas citadas? E alguém já publicou sobre isso de forma inteligente ou, como preferem, investigativa? Não.
É preciso ver quanto dinheiro foi distribuído por conta de cada líder de mercado cumulativamente por seus fornecedores e distribuidores. O crime da compra de acesso a gabinetes em 2014 não foi ainda alvo de matérias independentes e competentes. Grandes empresas, grandes anunciantes. Não dá para expor todos de uma vez... E agora? Quando será que vamos saber que conhecidos meliantes se apropriaram da maior parte dos recursos do fundo eleitoral? Adianta depois das eleições? Depois de definição de foro privilegiado? Vai adiantar?
Seria melhor que cada candidato jurasse, desde já, quanto dinheiro do fundo partidário vai estar a seu serviço. Não deveria ser transparente obrigação? E os candidatos não deveriam assinar compromisso preliminar de limpar seu próprio partido? Quantas iniciativas partidárias você conhece que se destinam, por exemplo, a expulsar o Sérgio Cabral? É só um exemplo...os partidos já sabem que são habitados por picaretas e contra esses picaretas nada fazem. Nunca agem? Nenhum procedimento investigativo é aberto, apesar de se saber da falta de idoneidade dessa dança dos famosos, afiliados dos seus respectivos partidos.
Ou seja, os partidos não têm código de ética algum. Não praticam ética. Praticam o compadrio, a proteção do grupo. Acordos, coisas de máfia. Quando se cassa o mandato de um deputado na Comissão de Ética da Câmara verifica-se que no partido do deputado cassado ele não foi sequer advertido pelos pares do próprio partido.
Ou seja, perceberam que os partidos protegem ladrões que os compõem? E o horário eleitoral é uma divisão de dinheiro pelos partidos para reeleger quem divide o dinheiro...Não vamos chegar a lugar melhor... O horário eleitoral é ridículo. Os partidos, na sua maior parte, são ridículos.
O partido do candidato que você escolheu tem processos de expulsão de seus notórios desonestos? Pergunte isso. Ainda dá para saber se participamos dessa farsa.



Recomendadas para você