Jornal do Brasil

Terça-feira, 27 de Junho de 2017

Leonardo Boff

Leonardo Boff: Ainda não terminei de lhe agradecer

Palavras lidas para Dom Paulo Evaristo Arns

Estas foram as palavras lidas ao povo na missa antes do sepultamento de Dom Paulo Evaristo Arns, na sexta-feira, na Catedral de São Paulo.

“Querido confrade, amigo dos pobres e meu amigo, meu mestre e promotor de minha vida de teólogo, Dom Paulo Evaristo Arns.

Morrer, não é morrer. É atender a um chamado de Deus. Deus o chamou e o Sr.foi contente ao seu encontro. Lá encontrará, estou seguro, os milhares de pobres, refugiados, torturados e assassinados que o Sr. defendeu, protegeu e por eles arriscou sua própria vida.

Jamais esquecerei o tempo de Petrópolis nos começos dos anos 60 do século passado, quando  juntos, dos fins de semana,praticávamos a pastoral de periferia no bairro do Itamarati, o seu amor aos pobres dos morros e o carinho para com as crianças.

Ainda não terminei de lhe agradecer a coragem com a qual tomou a defesa da teologia da libertação e de minha pessoa no diálogo que tivemos com o então Cardeal Joseph Ratzinger logo após o interrogatório a que fui submetido em Roma. Na minha presença e junto com o Card. Dom Aloysio Lorscheider, o Senhor testemunhou que a teologia que nossos teólogos fazíamos em favor dos pobres e com eles era boa para as comunidades e significava um bem da igreja local que devia ser defendido por seus pastores. Por isso justificava sua presença em Roma.

Sempre me animou e apoiou em minha atividade teológica. Guardo até hoje como um sacramento o bilhete que me deixou na mão antes de subir ao navio que me levava para estudos na Europa:

“Caro confrade Frei Leonardo: gostaria que soubesse isso:queremos dar-lhe o melhor porque a Igreja do Brasil precisa do melhor. Você também sabe que foi enviado em nome de Deus. Viva e estude por Ele para Ele. Nisi Dominus aedificaverit domum, in vanum laborant qui aedificant eam”: "Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam”.

Quero ser fiel a este mandato pelo tempo que me resta de trabalho útil a serviço da fé e da libertação dos sofredores deste mundo, da salvaguarda da vida e da preservação da Mãe Terra.

Se é verdade o que diz o poeta “que morrer é fechar os olhos para ver melhor” então, agora, querido Dom Paulo, o Senhor estará vendo a Deus a sempre serviu, face a face, participando da festa com  todos os libertos e bem-aventurados do céu.

Com minhas preces diante do Senhor e com saudades peço que lá junto do Pai e Mãe de bondade olhe para todos nós e nos ajude a seguir o exemplo luminoso que nos legou.

De seu antigo aluno e amigo

Leonardo Boff"

Petrópolis 15 de dezembro de 2016.

>> Boff: Dom Evaristo, mestre, intelectual e amigo dos pobres

Tags: Artigo, Carta, boff, cardeal, despedida, dom paulo, evaristo arns

Compartilhe: