Jornal do Brasil

Quarta-feira, 25 de Abril de 2018 Fundado em 1891
Leonardo Boff

Colunistas - Leonardo Boff

Os termos da discussão ecológica atual

Jornal do Brasil Leonardo Boff 

A Rio+20 provocou vasta discussão sobre questões ecológicas. Nem todos entendem os termos técnicos da temática. Publicamos aqui um artigo do mais conhecido ecologista do estado do Rio, Arthur Soffiati, de Campos de Goytacazes, RJ, fundador do Centro Norte Fluminense para a Conservação da Natureza e publicada no dia 14 de maio de 2012 na Folha da Manhã daquela cidade. Eis a palavras principais: ecodesenvolvimento, desenvolvimento sustentável, economia verde, pegada ecológica, antropoceno. 

Há cerca de 11 mil anos, a temperatura da Terra começou a se elevar naturalmente, produzindo o derretimento progressivo da última grande galáxia. Grande parte da água, passando do estado sólido para o líquido, elevou o nível dos mares, separou terras dos continentes, formou ilhas, incentivou a formação de florestas e de outros ambientes. Os cientistas deram a esta fase nova o nome de Holoceno.  

Nesses últimos 11 mil anos, restou dos hominí­deos apenas o homo sapiens, que se tornou soberano em todo o planeta. Com um cérebro bem desenvolvido, ele foi desafiado pelas novas condições climáticas e domesticou plantas e animais, inventando a agropecuária, criou tecnologia para polir a pedra, inventou a roda, a tecelagem e a metalurgia. Logo a seguir, criou cidades, impérios, represas, drenagem e irrigação. Várias civilizações ultrapassaram os limites dos ecossistemas em que se ergueram, gerando crises ambientais que contribuí­ram para o seu fim. 

Entra, então, o conceito de pegada ecológica. Ele se refere ao grau de impacto ecológico por um indivíduo, um empreendimento, uma economia, uma sociedade. A pegada ecológica das civilizações anteriores à civilização ocidental sempre teve um caráter regional, sendo reversíveis ou não. O Ocidente foi a civilização que calçou as botas mais pesadas conhecidas até o momento. O peso começou com o capitalismo, que transformou o mundo. 

A partir do século 15, a civilização ocidental (leia-se europeia) passou a imprimir marcas profundas com a expansão marítima. Impôs sua cultura a outras áreas do planeta. O mundo foi ocidentalizado e passou também a pisar fundo no ambiente. 

Veio, então, outra grande transformação com a revolução industrial, cuja origem localiza-se na Inglaterra do século 18. Ela se expandiu pelo mundo, dividindo-o em paí­ses industrializados e países exportadores de matéria-prima. A partir dela, começou a se criar uma outra realidade planetária, com emissões de gases causadores do aquecimento global, devastação de florestas, empobrecimento da biodiversidade, uso indevido do solo, urbanização maciça, alterações profundas nos ciclos de nitrogênio e fósforo, contaminação da água doce, adelgaçamento da camada de ozônio e extração excessiva de recursos naturais não renováveis, que, por sua vez, produz quantidades inauditas de lixo. 

Os cientistas estão demonstrando que, dentro do Holoceno (holos=inteiro+koinos=novo), a ação humana coletiva no capitalismo e no socialismo provocou uma crise ambiental sem precedentes na história da Terra porque gerada por uma só espécie. Eles estão denominando o período pós-revolução industrial do século 18 de Antropoceno, ou seja, uma fase geológica construí­da pela ação coletiva do ser humano (antropos=homem+koinos=novo). 

Em função dessa grande crise ou dessa nova época que a Organização das Nações Unidas vem promovendo grandes conferências internacionais, como as Conferêncisa de Estocolmo (1972), Rio-92 e, agora, a Rio+20. O objetivo ao resolver os problemas do Antropoceno, seja conciliando desenvolvimento econômico e proteção do ambiente, seja buscando outras formas de desenvolvimento. A Rio-92 adotou a fórmula do desenvolvimento sustentável, que ganhou diversos sentidos, inclusive antagônicos ao original. 

A Conferência Rio+20 pretende colocar em pé de igualdade as dimensões ambiental, social e econômica. A palavra mágica, agora, é  economia verde, cujo conteúdo não apresenta clareza. Supõe-se que, no mí­nimo, signifique a substituição progressiva de fontes de energia carbono-intensivas por fontes renováveis de energia, bem como a substituição de recursos não renováveis por renováveis.  

A Rio+20 mostrou que os paí­ses industrializados não querem abdicar da sua posição; os paí­ses emergentes querem alcançar os industrializados; e os paí­ses pobres querem ser emergentes. Enquanto não houver entendimento acerca dos limites do planeta, inútil pensar em justiça social e desenvolvimento econômico. Por conseguinte, o ambiente é mais importante que o social e o econômico, já que sem ele não se pode encontrar solução para os outros dois. Por outro lado, o conceito de ecodesenvolvimento parece ser o mais correto enquanto táica e estratégica.

* Leonardo Boff, teólogo e filósofo, é escritor. - lboff@leonardoboff.com



Tags: Leonardo, Rio, boff, coluna, segunda

Compartilhe: