Jornal do Brasil

Sexta-feira, 24 de Março de 2017

Juventude de Fé

Ser criança aos pés de Nossa Senhora Aparecida

Walmyr Jr.*

Nesse emaranhado de tradições populares, celebramos neste final de semana dois dias que tem tido no calendário nacional, o caráter de serem as maiores festas do país: Nossa Senhora Aparecida e o Dia das Crianças

Origem do Dia de Nossa Senhora Aparecida

No ano de 1717, pescadores lançaram suas redes no Rio Paraíba do Sul, para pegar peixes grandes para um jantar especial para o Conde de Assumar. Eles tentaram muito, e não estavam conseguindo nada. Quando já estavam quase desistindo, um pescador chamado João Alves apanhou uma imagem de Nossa Senhora da Conceição, mas sem a cabeça, e enrolou-a em um manto. 17 anos depois do achado foi construída a primeira capela.

Nossa Senhora da Conceição Aparecida, foi proclamada Rainha do Brasil e sua Padroeira Oficial em 16 de julho de 1930, por decreto do Papa Pio XI sendo coroada, e 50 anos depois foi decreto oficialmente que dia 12 de outubro seria feriado oficial.

Já o dia das crianças tem origem em cinco de novembro de 1924, pelo decreto nº 4867, que instituiu 12 de outubro como data oficial para comemoração do Dia das Crianças. Entretanto, a data não se tornou uma unanimidade imediata. Somente em 1955, a data começou a ser celebrada a partir de uma campanha de marketing elaborada por uma indústria de brinquedos chamada Estrela. O sucesso da campanha logo atraiu a atenção de outros empresários ligados à indústria de brinquedos. Tornando essa data um dos emblemáticos dias do consumo e da ostentação. A campanha publicitária promovendo a “Semana da Criança” tinha com o objetivo alavancar as vendas. Assim fizeram com que esse mesmo grupo de empresários utilizasse do imaginário infantil para crescer economicamente.

Todos nós experimentamos o que é “ser criança”. Possivelmente nossas lembranças da infância se misturam às histórias que nossa família conta a respeito de nós. Lembranças como os primeiros passos, palavras, sobre a chegada na escola, sobre as primeiras  brigas com os colegas, elementos  muito ricos de significado para a formação de nossa identidade.

Dessa forma, seria oportuno perguntarmos qual o paralelo entre Aparecida e o dia das crianças?!

A fé é cultivada nas relações que travamos desde que nascemos. Portanto, está ligada aos valores familiares e simples do nosso cotidiano. A conjectura social tenta nos impor um modelo de relação que se opõe aos ensinamentos que Jesus recebeu de sua mãe. Obrigam-nos a consumir um modelo de sociedade que mata e escraviza.

Maria rompe com esse prisma social e educa o menino Jesus de forma diferente. São esses ensinamentos, da mãe de Jesus, que possuem significados, que faz do Evangelho uma cartilha que dá sentido à nossa vida. São esses símbolos que celebramos nos dias das crianças, dia também da nossa mãe. Mãe essa que muito nos ensina a amar. Amar sem limites, amar pela causa que nos faz feliz de verdade. Amar pelos valores que pautam a dignidade da vida. Amar pela luta do bem comum.

* Walmyr Júnior é graduado em História pela PUC-RJ e representou a sociedade civil em encontro com o Papa Francisco no Theatro Municipal, durante a JMJ.  

Tags: formação, identidade, lembranças, Maria, perguntamos

Compartilhe: