Jornal do Brasil

Quarta-feira, 26 de Julho de 2017

JB Premium

OS CHEFS DA CALÇADA

Jornal do Brasil

Rachel Almeida A ssim como Nova York tem o cachorro-quente, Paris se vangloria de seus crepes e Tóquio é expert no yakisoba, o Rio poderia eleger o churrasquinho como sua típica comida de rua. Mas isso seria uma tremenda injustiça, na opinião do cineasta Sérgio Bloch, também um talentoso cozinheiro nas horas vagas. Na quinta-feira, ele lança, com textos de Ines Garçoni e fotos de Marcos Pinto, o Guia carioca de gastronomia de rua (Editora ArteEnsaio, R$ 50), na Livraria Travessa de Ipanema, listando 19 delícias que fazem o maior sucesso nas calçadas cariocas.

Tapioca, milho, empadinha, picolé, pastel... Tem petisco para todos os gostos, mas fique o leitor sabendo que este não é um guia tradicional: tão importante quanto a comida em si é o carisma da figura responsável por deixar os transeuntes com água na boca.

– A minha proposta foi mostrar uma visão cultural da comida – explica Bloch, cuja especialidade na cozinha é o frango ao curry. – Teve gente que, mesmo com pratos gostosos, não entrou no guia porque faltava autenticidade ao trabalho ou tinha histórias de vidas pouco interessantes.

Mas quem entrou? Há desde figuras mais manjadas como Oliveira e seu sensacional cachorro-quente, sucesso há muitos anos no Humaitá, até o senhor Miagui (referência ao personagem do filme Karatê Kid ), japonês nascido em Tóquio que há cinco anos serve o macarrão típico de seu país numa carrocinha em Campo Grande.

– A gente começou a pedir sugestões de personagens, através de redes sociais, e recebemos muitas resposta – conta Bloch. – Coloquei os pesquisadores na rua, e eles aprovavam ou não. Se eles gostavam, a Ines ia provar e, se ela gostasse, eu ia também. A equipe deve ter visitado mais de 80 comerciantes de rua.

Continua na página seguinte. FOFO – O senhor Miagui faz apenas um yakisoba por vez: quer que cada cliente receba tudo a que tem direito.

Compartilhe: