Jornal do Brasil

Domingo, 15 de Julho de 2018 Fundado em 1891

Internacional

Ser candidato no México é quase uma sentença de morte

Jornal do Brasil

Ser candidato no México é praticamente uma sentença de morte, afirma, quase sussurrando, Mario Alberto Chávez, aspirante à prefeitura de Zumpango, no violento estado de Guerrero.

Sobrevivente de um atentado, ele faz campanha com medo porque não possui guarda-costas, apesar de tê-los solicitado.

"Ia desistir da campanha, mas decidi que vale a pena continuar para tirar minha comunidade da pobreza e insegurança", explica Chávez.

Em 18 de abril, o candidato jantava em um restaurante de Zumpango quando um homem armado invadiu o lugar e, sem falar uma palavra, abriu fogo contra sua mesa deixando ferindo três de seus colaboradores.

"Decidimos não fazer comícios, e sim fazer campanha de casa em casa", admite à AFP o candidato do Nova Aliança, de 35 anos e pai de um menino.

- Centenas de desistências -

A violência eleitoral se soma à que diariamente angustia os mexicanos, que fecharam 2017 com a cifra recorde de 25.339 assassinatos.

Mais de 200.000 pessoas foram assassinadas e outras 30.000 estão desaparecidas desde que, em 2006, o governo militarizou o combate ao narcotráfico.

Desde que teve início o processo eleitoral em setembro passado - que concluirá em 1o. de julho com a eleição do presidente e outros 18.000 postos -, ao menos 114 políticos e candidatos foram assassinados, de acordo com a empresa de consultoria Etellekt.

Em Guerrero, 496 candidatos renunciaram e apenas 56 dessas candidaturas foram substituídas, de acordo com a autoridade eleitoral regional.

"O México lamentavelmente é um país que vive uma crise de segurança há dez anos e hoje estamos realizando a maior eleição de nossa história", comentou à AFP o presidente do Instituto Nacional Eleitoral (INE), Lorenzo Córdova.

"O contexto de violência no país invade a política? A resposta é sim, e é grave", acrescentou Córdova, assinalando diretamente as forças de segurança como responsáveis pelo sangue de políticos derramado ao menos uma vez por semana.

Em alguns casos, os motivos parecem claros.

Em 8 de junho, Fernando Purón, um ex-prefeito de Coahuila, fronteira com os Estados Unidos, candidato a deputado federal, foi assassinado ao sair de um debate no qual falou de seu combate contra o cartel de Los Zetas.

Em outros casos, surgem dúvidas, como no de Pamela Terán, candidata a vereadora de Juchitán, Oaxaca, e assassinada em 2 de junho. Ela era filha de Juan Terán, preso e acusado de ser o chefão de um cartel regional.

- Campanhas com medo -

O governo disse na semana passada que recebeu 49 pedidos de escolta em nível federal, mas que apenas 12 foram concedidas, cinco foram rejeitadas e 32 continuam pendentes.

Vários candidatos consultados pela AFP reconheceram fazer sua campanha com medo e alguns deles decidiram contratar seguranças.

É o caso de Nestora Salgado, a controvertida candidata ao Senado de Guerrero pelo Partido Morena, de esquerda e cujo candidato presidencial Andrés Manuel López Obrador lidera as pesquisas.

"Responsabilizamos o governo pelo que continua acontecendo", critica Salgado.

Armados com antigas escopetas e rifles, cerca de 50 policiais comunitários a cercam, durante seu comício no município de San Luis Acatlán.

"Se não nos fornecem segurança é porque não convém a eles (ao governo) que eu chegue ao Senado porque levo a voz do povo", comenta Salgado, que recebeu ligações de ameaças e, inclusive, encontrou cabeças de cachorro junto a sua porta.

Em sua cidade natal Olinalá, Nestora fundou e liderou a polícia comunitária para enfrentar os cartéis de drogas, em concluiu, muitas vezes, com as autoridades.

Até que, em 2013, foi acusada e presa por sequestro e libertada quase três anos depois por falta de provas.

No outro extremo da história está o empresário Joaquín Badillo, candidato à prefeitura de Acapulco por uma coalizão formada pelo Partido da Revolução Democrática (PRD, esquerda) e Ação Nacional (PAN, direita).

Acapulco é uma das cidades mais perigosas do México, mas "Jako" Badillo não pediu escolta ao governo, pois é dono de uma empresa de segurança composta por 3.000 homens.

"O medo faz a pessoa tomar precauções", afirma.

Rubén Salazar, diretor de Etellekt, cita as possíveis causas da violência.

Após a militarização da luta contra drogas, os cartéis se fragmentaram e estão tendo de se refugiar em muitas dessas localidades, onde ocorremos crimes, buscando apoiado dos candidatos e se livram daqueles com os quais não fazem um acordo", explica.

Agência AFP


Tags: campanha, candidatura, cartel, drogas, política, presidência

Compartilhe: