Jornal do Brasil

Quinta-feira, 24 de Maio de 2018 Fundado em 1891

Internacional

RSF alerta para aumento do ódio contra jornalistas

Jornal do Brasil

Existe um clima de ódio em relação aos jornalistas cada vez mais pronunciado no mundo, alerta a organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) em seu relatório anual publicado nesta quarta-feira (25), no qual vários países latino-americanos seguem figurando entre os mais perigosos para se exercer o Jornalismo.

"A hostilidade diante dos meios de comunicação, alentada por certos dirigentes políticos, e o desejo dos regimes autoritários de exportar sua visão do Jornalismo ameaçam as democracias", assinala a ONG em sua Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2018.

Além dos países "autoritários como Turquia e Egito, que caíram na 'mídiafobia', a ponto de acusar de 'terrorismo' vários jornalistas e deter de forma arbitrária os que não lhes são leais, cada vez mais chefes de Estado eleitos democraticamente (...) veem a imprensa como um adversário", destaca a ONG sediada em Paris.

Assim, os Estados Unidos, onde o presidente Donald Trump qualifica os jornalistas de "inimigos do povo", retrocedeu duas posições na lista de 180 países, situando-se na 45ª posição, atrás de Espanha e Chile.

As Filipinas, onde o presidente Rodrigo Duterte "costuma insultar e ameaçar os meios de comunicação", caiu seis posições (133º), enquanto a Índia, onde "os discursos de ódio contra jornalistas são amplamente divulgados nas redes sociais (...) pagos pelo premier Narendra Modi", recuou duas posições (138º).

- 'Excessos autoritários' na Venezuela -

No continente americano, a organização mostra um "ligeiro progresso", embora em muitos países latino-americanos persistam problemas como a impunidade, a violência contra os jornalistas e as políticas autoritárias frente à imprensa, enumera a RSF.

A Venezuela (143º), onde, segundo a ONG, o governo do presidente Nicolás Maduro "segue se distinguindo por seus excessos autoritários", sofreu a maior queda do continente, recuando seis posições.

"Nicolás Maduro se empenha em calar a imprensa independente e segue controlando a informação", disse à AFP o diretor para a América Latina da Repórteres Sem Fronteiras, Emmanuel Colombié.

"Em 2017, a RSF registrou um número recorde de prisões arbitrárias, de atos de violência contra jornalistas, por exemplo, por parte das forças da ordem e dos serviços de inteligência venezuelanos durante as manifestações", declarou Colombié.

Para a RSF, ao impedir o trabalho dos jornalistas, o governo de Maduro "busca encobrir a magnitude da grave crise política que sacode o país".

Cuba, onde o "regime castrista monopoliza quase por completo a informação", continua sendo o país pior colocado no continente (172º); enquanto a Costa Rica, que tem uma "sólida base legal em matéria de liberdade de informação", ocupa a melhor posição (10º).

- México, segundo mais fatal depois da Síria -

O México, onde 11 jornalistas foram mortos no ano passado, se tornou o segundo país mais fatal para a imprensa em 2017, destaca a RSF.

"Se os jornalistas cobrem temas ligados à corrupção das autoridades, especialmente a nível local, ou ao crime organizado, sofrem intimidações, agressões e até podem ser assassinados a sangue frio", afirma Colombié.

A Colômbia, apesar da "esperança" gerada pelos acordos de paz entre o governo e as Farc, continua como um dos países mais perigosos do continente para os jornalistas.

A RSF, por sua vez, comemora os avanços no Brasil, onde as agressões à imprensa diminuíram ligeiramente, e no Equador, "onde a eleição do presidente Lenín Moreno permitiu acalmar as tensões entre o governo e muitos meios de comunicação".

A classificação, não obstante, não leva em conta o recente assassinato de dois jornalistas equatorianos na fronteira com a Colômbia, o primeiro homicídio de uma equipe de imprensa nesse país.

No continente europeu, que é a zona geográfica onde a liberdade de imprensa se encontra menos ameaçada, também se multiplicaram os casos de "violência verbal" de líderes políticos contra a imprensa, denuncia a RSF.

Dos cinco países que experimentaram as maiores quedas na classificação, quatro são europeus: Malta (65º, caiu 18 posições), República Tcheca (34º, caiu 11), Sérvia (76º, caiu 10) e Eslováquia (27º, caiu 10).

Noruega e Coreia do Norte mantêm, respectivamente, o primeiro e último lugares do termômetro.

Agência AFP


Compartilhe: