Jornal do Brasil

Quinta-feira, 21 de Junho de 2018 Fundado em 1891

Internacional

Itália pede queda de liminar contra extradição de Battisti

Governo alega que decisão cabe ao presidente da República

Jornal do Brasil

Os governos de Brasil e Itália apresentaram documentos ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo a derrubada da liminar do ministro Luiz Fux que impede a extradição de Cesare Battisti.

A decisão foi tomada no dia 13 de outubro e vale enquanto o caso do italiano não for apreciado novamente pela corte. Segundo o jornal O Globo, Brasília e Roma argumentam que palavra final na extradição de um estrangeiro cabe ao presidente da República - membros do governo já confirmaram que Temer decidiu pela expulsão de Battisti e aguarda apenas um posicionamento do STF.

Em 2009, o Supremo aprovou a extradição do italiano, mas também determinou que a decisão final cabia ao presidente. No ano seguinte, em seu último dia de mandato, Luiz Inácio Lula da Silva autorizou a permanência de Battisti no Brasil.

Já a defesa do italiano alega que o prazo para rever a decisão de Lula era de apenas cinco anos. A Itália voltou à carga para conseguir a extradição após a posse de Temer e reforçou o pedido depois de Battisti ter sido preso na fronteira com a Bolívia - ele acabou virando réu por evasão de divisas.

A notícia do pedido dos governos italiano e brasileiro ao STF chega no mesmo dia em que o ministro das Relações Exteriores do país europeu, Angelino Alfano, desembarcará em São Paulo para uma visita de três dias, que também incluirá Brasília, Belo Horizonte e Rio de Janeiro.

O caso em tramitação no Supremo diz respeito a um pedido de Battisti contra uma eventual revisão da decisão de Lula. O relator é Fux, que dedicou as últimas semanas a coletar os pareceres das partes envolvidas. Ainda não se sabe se ele levará o caso para a Primeira Turma, composta por cinco ministros, ou ao plenário do Supremo, formado por 11.

O italiano foi condenado à prisão perpétua em seu país por quatro assassinatos ocorridos na década de 1970 e envolvimento com o terrorismo. Ex-membro da guerrilha Proletários Armados pelo Comunismo (PAC), ele alega perseguição política. 



Tags: assassinatos, comunismo, decisão, pac, prisão, revisão

Compartilhe: