Jornal do Brasil

Sexta-feira, 17 de Novembro de 2017

Internacional

May escreve carta a cidadãos da União Europeia e promete manter direitos

Premier disse estar "próxima de um acordo" com Bruxelas

Agência ANSA

Em uma carta aberta, a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, afirmou na última quarta-feira (18) que está "próxima de um acordo" para proteger os direitos dos cerca de 4 milhões de cidadãos da União Europeia que vivem no país.

Segundo a premier britânica, está sendo desenvolvido um "procedimento digital simplificado para aqueles que pedirem status de residência no Reino Unido". 

"Os cidadãos da UE que vivem legalmente no Reino Unido poderão ficar", garantiu May em sua carta, acrescentando que os direitos dos comunitários sempre foram sua "primeira prioridade".

"E sei que meus colegas [europeus] têm o mesmo objetivo: proteger os direitos dos cidadãos da UE que vivem no Reino Unido e dos britânicos que vivem na UE", disse. A primeira-ministra ainda se comprometeu a fazer com que os europeus não tenham de contratar um seguro saúde suplementar após o "Brexit".

Premier está confiante de que o acordo com Bruxelas será aceito
Premier está confiante de que o acordo com Bruxelas será aceito

"Espero que estas garantias, juntamente com as feitas pelo Reino Unido e pela Comissão Europeia, proporcionem mais segurança às 4 milhões de pessoas que estão compreensivelmente preocupadas com o que o 'Brexit' significaria para seu futuro", afirmou.

A premier também está confiante de que o acordo com Bruxelas será aceito. "Sei que ambos os lados vão considerar as propostas do outro para finalizar o acordo com uma mente aberta. E com flexibilidade e criatividade de ambos os lados, estou confiante de que podemos concluir as discussões sobre os direitos dos cidadãos nas próximas semanas", concluiu a primeira-ministra.

May participará, entre esta quinta (19) e sexta-feira (20), da reunião do Conselho Europeu em Bruxelas, quando os líderes da UE devem discutir, entre outras coisas, o "Brexit". 

Tags: brexit, europa, referendo, reino unido, repercussão

Compartilhe: