Jornal do Brasil

Terça-feira, 17 de Outubro de 2017

Internacional

Líder do Irã rebate Trump e nega violação de acordo nuclear

Rohani ainda chamou as falas de Trump de 'ignorantes'

Agência ANSA

O presidente do Irã, Hassan Rohani, discursou nesta quarta-feira (20) na tribuna da 72ª Assembleia Geral das Nações Unidas e rebateu as acusações e ameças de Washington sobre o acordo nuclear firmado em 2015.

"O Irã não será o primeiro a violar o acordo nuclear, mas responderemos de maneira decidida e obstinada a qualquer violação dele", disse Rohani sobre as ameaças do presidente Donald Trump. Segundo o líder iraniano, se os EUA desistirem do acordo, "só destruirão a sua própria credibilidade perante o mundo".

Nesta terça-feira (19), Trump afirmou que o acordo era uma "vergonha" e repetiu sua retórica de que era o pior acordo já assinado pelos Estados Unidos. Ele ainda afirmou que Teerã é uma "ditadura corrupta" com uma falsa cara de democracia.

Ao rebater o norte-americano, Rohani afirmou que "o presidente dos Estados Unidos usou palavras ignorantes e desagradáveis contra o Irã; acusações odiosas e sem fundamento, inadequadas para a Assembleia Geral da ONU".

Desde que estava na corrida presidencial, Trump sempre criticou a acordo nuclear e disse que retiraria o país do pacto. No entanto, após uma revisão técnica feita por membros de seu governo, afirmou que não sairia do acordo, mas aplicou sanções econômicas contra Teerã.

Hoje, após uma reunião com o líder palestino Mahmoud Abbas, ele afirmou aos jornalistas que "já decidiu" o que fará sobre o acordo, mas não antecipou sua visão.

Em outro momento de seu discurso, Rohani ressaltou que não defende nenhum discurso de ódio. "A moderação é a estrada escolhida e que está sendo feita pelo Irã. Nós não ameaçamos ninguém", acrescentou.

O acordo nuclear assinado pelo Irã e pelo grupo 5+1 (EUA, Grã-Bretanha, França, Rússia, Alemanha e China, além da União Europeia) prevê, entre outros pontos, que o Irã interrompa a produção e o desenvolvimento de armas nucleares em troca do fim das sanções econômicas de maneira gradativa.

Tags: agencia, ansa, eua, internacional, irã

Compartilhe: