Jornal do Brasil

Sábado, 18 de Novembro de 2017

Internacional

Justiça mantém prisão de 3 dos 4 suspeitos de Barcelona

Um deles admitiu que o plano inicial era atacar Sagrada Família

Agência ANSA

A Audiência Nacional, tribunal sediado em Madri, capital da Espanha, manteve nesta terça-feira (22) as prisões de três dos quatro suspeitos detidos por conta dos atentados em Barcelona e Cambrils, na Catalunha, que mataram 15 pessoas.

Dois deles, Mohammed Houli Chemlal, jovem de 21 anos ferido na explosão de uma casa em Alcanar, a 200 quilômetros de Barcelona, e Driss Oukabir, 28, em cujo nome foi alugado um dos furgões usados pela célula terrorista, serão mantidos na cadeia sem direito a pagamento de fiança.

Já o gerente de lan house Salah El Karib, 34 anos, teve sua prisão preventiva prorrogada por 72 horas, até que seja plenamente esclarecida sua participação ou não nos ataques. Por outro lado, o tribunal concedeu liberdade provisória a Mohamed Aallaa, 27, irmão do terrorista Said Aallaa, um dos cinco agressores mortos em Cambrils.

Segundo a Audiência Nacional, os "indícios existentes sobre sua suposta colaboração com o grupo investigado não são suficientemente sólidos". O suspeito terá de comparecer a um juizado toda segunda-feira.

Mohammed Aallaa é o dono do Audi A3 usado no atentado em Cambrils, na madrugada da última sexta-feira (18), e se entregou à polícia em Ripoll, onde também foram detidos Karib e Driss Oukabir.

Apenas um suspeito confessou envolvimento com a célula terrorista, Houli Chemlal, que disse que o objetivo do grupo era causar um grande atentado com explosivos no principal ponto turístico de Barcelona, a Basílica da Sagrada Família, icônica igreja projetada por Antoni Gaudí.

O plano acabou abortado após a explosão da casa em Alcanar que era usada como base pelos jihadistas, onde a polícia encontrou 120 cilindros de gás e traços do explosivo TATP, o preferido do Estado Islâmico (EI) para realizar atentados.

A célula decidiu então atropelar centenas de pessoas com um furgão nas Ramblas, outro ponto bastante procurado por turistas na capital catalã, na última quinta-feira (17). No entanto, os quatro suspeitos responsabilizaram o imã Abdelbaqi Es Sattii, morto na explosão em Alcanar, pelos atentados na Catalunha.

De acordo com eles, o religioso lhes confessara a vontade de realizar um ataque suicida em Barcelona.

Aluguel 

Outro suspeito, Driss Oukabir, mudou sua versão inicial e reconheceu que foi o responsável por alugar o furgão usado na ação nas Ramblas - em um primeiro momento, ele dissera que seus documentos haviam sido roubados pelo irmão, Moussa.

Contudo, segundo Driss, ele achava que o veículo seria utilizado em uma mudança e que só o alugou em seu nome porque era preciso ter mais de 26 anos, e seu irmão tinha 17.

O autor material do atentado nas Ramblas foi Younes Abouyaaqoub, morto pela polícia na última segunda-feira (21). Já o ataque em Cambrils foi perpetrado por Moussa Oukabir, Said Aallaa, Mohamed e Omar Hichamy e Houssaine Abouyaaqoub. Todos eles também foram abatidos.

A célula terrorista de 12 homens ainda incluída Es Sattii e Youssef Aallaa, mortos na explosão em Alcanar

Tags: ataque, barcelona, espanha, internacional, terrorismo

Compartilhe: