Jornal do Brasil

Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Esportes

Com roda e capacete emprestados, carioca supera obstáculos e conquista ouro no ciclismo

Kayllan Luiz Machado detona 45 adversários para subir no alto do pódio

Jornal do Brasil

Fluminense de Campos dos Goytacazes, interior do Rio de Janeiro, Kayllan Luiz Machado superou diversos obstáculos e conquistou a medalha de ouro no contrarrelógio dos Jogos Escolares da Juventude Brasília 2017. Estudante do Colégio Estadual Benta Pereira, ele venceu a prova disputada na pista montada em frente ao Palácio Duque de Caxias, nesta sexta-feira, dia 17, com o tempo de 40s276. 

“Agora é só alegria. Com muita humildade e treinamento alcancei mais uma vitória. Não tenho patrocínio, conto apenas com a ajuda do meu pai, do meu professor Marcos Coutinho Ladislau e dos meus amigos. Ainda não tenho nem bicicleta. Nesse ano eu ganhei um quadro, mas não tinha roda nem capacete. Meu amigo Jeferson me emprestou a roda dele e o Roni o capacete. E é assim que a gente vai conquistando espaço”, disse o atleta de 15 anos. 

O técnico Ladislau acredita no futuro do jovem atleta e torce para que ele seja convidado para treinar em uma grande equipe. Kayllan começou no ciclismo em sua escola e no ano passado disputou a sua primeira competição nacional: os Jogos Escolares da Juventude para atletas de 12 a 14 anos, em João Pessoa, quando conquistou duas medalhas de ouro, no contrarrelógio e na prova de estrada. 

Em Brasília, o jovem superou 45 adversários de todo o Brasil para voltar a subir no alto do pódio. A medalha de prata ficou com o mineiro Cláudio Moreno Valério Filho, do Colégio Batista de Varginha (MG). Os pais do atleta, Cláudio e Adrielle Mariano Moraes, e sua irmã, a pequena Antonella, de apenas um ano e sete meses, acompanharam a competição e vibraram com o seu resultado. 

“É uma honra competir com os melhores ciclistas do Brasil e ainda subir no pódio. Com muito foco, fé, treinamento e sem deixar os estudos de lado qualquer atleta pode alcançar seus objetivos”, disse Cláudio. “Contei com a ajuda da minha família que viajou mais de 900km para acompanhar a prova. A presença da minha irmã caçula, meu chaveirinho da sorte, também ajudou muito”. 

O gaúcho Lucas Gabriel Ramos, do Instituto Estadual de Educação Monsenhor Scalabrini, de Encantado (RS), completou o pódio. Os três receberam suas medalhas das mãos do Embaixador dos Jogos Escolares da Juventude, Henrique Avancini. Integrante da seleção brasileira de mountain bike, Avancini disputou os Jogos Olímpicos Rio 2016, e acompanhou toda a emoção das provas de ciclismo na Capital Federal. 

“Eu já acompanhava os Jogos Escolares, mas pessoalmente é a primeira vez. Uma competição espetacular, uma grande experiência para os atletas e para mim também está sendo muito especial. Estou aqui para trocar uma palavra com todos os atletas, dar dicas, conselhos e até um consolo se for preciso”, disse Avancini, que acompanhará todas as competições do ciclismo, até domingo. 

O Embaixador dos Jogos Escolares está em fase de pré-temporada para voltar a competir somente no fim de fevereiro de 2018, em Takwa, África do Sul. No dia 10 de março, ele disputa a primeira etapa da Copa do Mundo, principal evento do ano, também em solo sul-africano. 

Além de Henrique, Leandro Macedo também estava presente no evento. O gaúcho de 49 anos é pioneiro no triatlo brasileiro. Ele conquistou a medalha de ouro nos Jogos Pan-americanos Mar del Plata 1995, ano de estreia do esporte em Pans. A técnica de triatlo Monike Azevedo, que mantém um Projeto Social com o seu nome na região dos Lagos do Rio de Janeiro, mais precisamente em São Pedro da Aldeia, também estava presente. 

Assim como o técnico Renato Buck, um dos maiores descobridores de talentos do ciclismo nacional. Renato trabalha com o ciclismo desde 1973, e desde 1997 foca sua atenção às crianças na escolinha. “Na última edição dos Jogos Olímpicos, três dos quatro atletas que disputaram a competição na pista e na estrada passaram pela nossa escolinha, em Iracemápolis (SP). O Gideoni Monteiro, o Caio Godoy e o Cléber Ramos. A única exceção foi o Murilo Fischer”, disse Buck. 

Os Jogos Escolares da Juventude são organizados e realizados pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB), correalizados pelo Ministério do Esporte e Grupo Globo, com patrocínio da Coca-Cola e apoio da Estácio e do Governo de Brasília.

Tags: atleta, ciclismo, escolares, jogos, pódio

Compartilhe: