Jornal do Brasil

Sábado, 21 de Julho de 2018 Fundado em 1891

Esportes

Etíope vence São Silvestre e quebra hegemonia; Brasil decepciona 

Jornal do Brasil Danilo VItal 

Tariku Bekele foi o responsável por quebrar uma hegemonia na Corrida de São Silvestre. Neste sábado, em São Paulo, o etíope fez uma prova brilhante, venceu a edição de 2011 e acabou com o domínio de quenianos e brasileiros na prova - um atleta do seu país não vencia desde 2001, quando Tesfaye Jifar foi o primeiro colocado. Entre as mulheres, a vencedora foi a queniana Priscah Jeptoo, que quebrou o recorde da prova.

Os brasileiros decepcionaram e ficaram fora do pódio tanto no masculino quanto no feminino. Entre os homens, o melhor foi Damião Ancelmo de Souza, que ficou apenas em sétimo, com o favorito Marílson Gomes do Santos logo atrás. Entre as mulheres, Cruz Nonata foi a melhor, mas chegou só na sexta posição.

Nem brasileiro, nem queniano, o vencedor da São Silvestre é da Etiópia

Assim que os homens largaram, uma chuva mais forte começou a molhar os atletas em São Paulo. Com isso, o pelotão da frente ficou bastante embolado, passando pela Av. Doutor Arnaldo, Rua Major Natanael e chegando até o Estádio do Pacaembu, sempre com mais de dez atletas juntos na frente.

Após saírem da Avenida Pacaembu, um grupo de favoritos começou a ganhar mais velocidade e disparar na frente. Quatro africanos tentaram deixar os brasileiros Marílson Gomes dos Santos e Damião Ancelmo de Souza para trás.

Isso só aconteceu um pouco mais à frente, quando os africanos passaram pelo Memorial da América Latina e entraram na Avenida Marquês de São Vicente, na Barra Funda. Lá um grupo de africanos passou a liderar a prova, com quatro atletas se revezando na frente - Martin Lel, Tariku Bekele, Barnabas Kosgei e Matthew Kisorio.

Depois que saíram da Barra funda e começaram a seguir para o centro de São Paulo, um atleta se destacou mais que os outros: o etíope Tariku Bekele superou uma chuva cada vez mais forte e conseguiu abrir vantagem para os demais na longa reta antes de chegar ao Teatro Municipal.

Bekele não sentiu dificuldades para segurar sua posição na Avenida Brigadeiro Luis Antônio. Na subida ele manteve o desempenho e na descida, mesmo com a insistência da chuva forte, ele não diminuiu o ritmo. Dessa forma, entrou com sobras na região do Parque do Ibirapuera e cruzou a linha de chegada em primeiro.

O vencedor ainda teve chance de quebrar o recorde da corrida, que pertence ao queniano Paul Tergat, com o tempo de 43min12s. Mas a chuva e o cansaço atrapalharam o sprint final de Bekele, que terminou os quinze quilômetros em 43min35s.

Portal Terra


Tags: atletismo, corrida, etíopes, maratona, quenianos, são silvestre, tariku bekele

Compartilhe: