Jornal do Brasil

Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Esportes

Hortência e Paula lembram dia em que Fidel se "rendeu" à dupla

Portal TerraCarol Almeida

Nos Jogos Pan-Americanos de 1991, em Havana, a Seleção Brasileira feminina de basquete tinha feito uma campanha espetacular na competição quando chegou à final contra as donas da casa. Depois de bater rivais históricos como Argentina, Canadá, Cuba e Estados Unidos, a equipe brasileira voltava a enfrentar as cubanas na decisão. A torcida contava até com o presidente Fidel Castro.

O primeiro tempo da partida terminou empatado, mas a Seleção Brasileira foi superior e conquistou o título com o placar 97 a 76. No meio da euforia brasileira durante o recebimento das medalhas, Fidel Castro saiu da sua área VIP, foi até as jogadoras brasileiras, entregou a elas as medalhas e ainda comentou com Hortência e Paula, que as jogadoras tinham trapaceado e deviam estar com uma "mira-laser" na mão, por não errar os alvos.

Esse é um dos momentos marcantes da participação brasileira nos Jogos Pan-Americanos. As jogadoras destaques daquela Seleção, Paula, Hortência e Janeth, mantém a cena na lembrança, que para todas elas representou o início de uma década vitoriosa do basquete feminino brasileiro.

"Foi bacana ter visto Fidel, que foi jogador de basquete, torcendo por Cuba, mas entregando a medalha de campeã para gente", disse Paula. Janeth falou que se sentiu privilegiada de receber as medalhas da mão do presidente. "Não imaginava que ele ia descer da arquibancada da área VIP para entregar as medalhas para nós". Hortência contou que quando ele foi falar com a jogadora, a única resposta foi um "obrigada". "Estávamos muito emocionadas e querendo comemorar".

Para Hortência, a conquista foi muito significativa ainda mais porque representou o resultado de uma trajetória do basquete feminino que começou em 79, no Pan de San Juan, quando a equipe brasileira conquistou o quarto lugar. Nas competições seguintes, o Brasil foi subindo os degraus do pódio: em Caracas (1983) conquistou o bronze e em Indianápolis (1987) foi prata. A partir desse título, a Seleção feminina conquistou o Mundial em 1994, a medalha de prata em Atlanta 1996 e obronze em Sidney 2000.

"Ali foi a grande ascensão do basquete feminino, onde demos a grande alavancada. Foi o grande momento nosso em que adquirimos bastante experiência e confiança e quebramos a hegemonia dos EUA", ressaltou Hortência.

A jogadora Paula, que mais tarde ficaria conhecida por "Magic" Paula, falou que o percurso até a conquista dos títulos foi longa, mas valeu a pena. "Em alguns momentos queríamos desistir, mas seguimos em frente e acreditávamos que chegaríamos lá", contou.

Ela ressaltou que o entrosamento dentro da equipe foi essencial para o amadurecimento da Seleção. "Olhava para a Hortência em quadra e já sabia o que ela queria". As duas jogaram juntas pela Seleção por 22 anos.

Para Janeth, esse foi um dos títulos mais importantes, logo no começo da carreira. Como dica para as jogadoras que começam agora no basquete, a jogadora procura passar a mensagem de dedicação, atenção nos detalhes e acreditar nos sonhos. "É o que eu sempre digo para elas", comentou a atleta, hoje treinadora da Seleção Sub-16 e confiante que a nova geração vai colher muitos resultados.

Tags: Paula, e, hortência

Compartilhe: