Jornal do Brasil

Terça-feira, 22 de Maio de 2018 Fundado em 1891

País - Eleições 2014

Nova fase da Presidência deve apresentar resultados antes da posse de Dilma

Jornal do Brasil Cláudia Freitas

Após a euforia causada pela reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT) os analistas sociais e do mercado financeiro arriscam o futuro e avanços do Brasil para os próximos anos do governo do PT. A votação apertada entre Dilma e o seu adversário tucano, Aécio Neves, imprimiu, segundo os especialistas, as características da nova fase, com medidas emergenciais, especialmente na pasta econômica.

Na previsão do cientista político da Universidade de Campinas (Unicamp), Valeriano Costa, já nos próximos dois meses os brasileiros devem observar uma mudança no perfil da gestão federal, resultante das medidas colocadas em prática imediatamente após a reeleição. Costa considera que a instabilidade no mercado financeiro, observada nesta segunda-feira (27/10), um dia após a eleição presidencial, aponta para dificuldades no setor, mas ele acredita também que a presidente Dilma vai sinalizar com a mesma rapidez para metas no sentido de aliviar os investidores. 

"A presidente Dilma Rousseff não vai esperar a sua posse para tomar providências. Ela pode até assumir diretamente o comando da pasta econômica e, assim, acalmar os ânimos", arrisca o especialista. Para Costa, a etapa que inicia com a reeleição deve ser delineada pelas novas ideias e mudanças estruturais nos ministérios, anunciadas pela própria presidente durante a campanha eleitoral. 

O diretor do Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, Geraldo Tadeu Monteiro, acredita que duas pastas devem receber maior atenção nos primeiros momentos do novo governo: a da Educação e da Economia. Em uma análise mais ampla do cenário da educação no país, Monteiro explica que a área educacional passa por um processo de expansão, mas que ficou mais evidente no seu aspecto quantitativo, necessitando de melhoramentos na qualidade dos serviços. 

"Melhorar a qualidade do ensino no Brasil será um dos maiores desafios do governo reeleito. O país ainda não tem as suas universidades no ranking das melhores do mundo", destacou Monteiro. Para ele, o objetivo imediato do governo será encontrar as bases para o crescimento econômico, assim como reconquistar a confiança do mercado, sinalizando que questões importantes serão atacadas, como o acerto das contas públicas, visando acelerar o crescimento. "O governo é de continuidade, então não vai aguardar para promover melhorias e tomar determinadas medidas", destacou. 

O crescimento econômico também é cogitado pelo professor de Mestrado em Economia da Universidade Federal de Alagoas, Cícero Péricles Carvalho, como meta prioritária que a presidente deve atacar logo no início da sua segunda gestão. O especialista comenta que o modelo de desenvolvimento econômico e de inclusão social que teve início no governo de Luiz Inácio Lula da Silva, em 2012, atingiu um esgotamento. "É um modelo vitorioso, mas precisa de ajustes para que possa permitir novos saltos nos investimentos federais, especialmente para atrair a participação do capital privado. Observamos uma participação tímida dessa classe nos investimentos, por exemplo, no agronegócio", destaca.

Carvalho acha que a equipe ministerial que será empossada em janeiro, deve abrir portas para uma nova política industrial, que irá criar incentivos necessários para superar a crise internacional no setor. Na classificação do especialista, o Brasil ainda está em uma posição desfavorável. No campo das políticas sociais, Carvalho observar que a presidente aponta para a manutenção das principais conquistas, mas deve abrir um debate mais acirrado com a macro economia, de forma imediata, assim que a nova equipe for anunciada, especialmente relacionada ao Banco Central e a pasta da Economia. 

No entanto, mesmo antes da posse da presidente, a sua equipe deve antecipar algumas mudanças para estimular o crescimento econômico, com os reajustes fiscais e determinados cortes, apesar do orçamento brasileiro já ter 90% das suas despesas obrigatórias. O sistema financeiro federal deve incidir outras medidas mais fortes para estimular o capital de financiamento. 



Tags: #eleicao2014, analistas, econômica, rousseff, votação

Compartilhe: