Jornal do Brasil

Terça-feira, 17 de Julho de 2018 Fundado em 1891

Economia

Em NY, salto de techs leva Nasdaq à 22ª máxima histórica do ano

Jornal do Brasil

Os mercados acionários americanos encerraram em alta o pregão desta quinta-feira, 12, em um cenário dominado pela valorização de empresas de tecnologia, que lideraram os ganhos das bolsas em Nova York. O sentimento dos investidores se recuperou em meio a relatos de que autoridades americanas e chinesas estão trabalhando para retomar as negociações comerciais a fim de aliviar as tensões tarifárias. Dado esse panorama, os agentes buscaram por ações de maior rendimento às vésperas do início da temporada de balanços, dando espaço para o Nasdaq renovar a 22ª máxima histórica do ano.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,91%, para 24.924,89 pontos; o S&P 500 subiu 0,87%, para 2.798,29 pontos; e o Nasdaq avançou 1,39%, para 7.823,92 pontos.

O recorde do Nasdaq não foi isolado. O índice foi impulsionado pela forte valorização das techs, que, desde o ano passado, são vistas por alguns investidores como ativos defensivos, não se deixando abalar tanto quanto outros setores por tensões geopolíticas ou comerciais. Nesse sentido, de forma não surpreendente, quatro gigantes de tecnologia alcançaram o maior nível da história: Alphabet (+2,54%), Amazon (+2,37%), Facebook (+2,16%) e Microsoft (+2,17%).

A Netflix, no entanto, foi a única exceção entre as techs. A gigante do streaming fechou em queda de 1,23%, após ter sua recomendação cortada pelo UBS de compra para neutro. De acordo com os analistas do banco suíço, a companhia, cuja ação se valorizou 118% no ano até agora, deve apresentar um abrandamento do crescimento dos assinantes, enquanto mercados emergentes devem permanecer fortes. "Não vemos a alta pronunciada nos resultados do segundo trimestre em relação aos trimestres anteriores", disse o UBS.

O gatilho para o retorno às compras por parte dos investidores veio de relatos que circularam na imprensa americana no início da noite de quarta-feira sobre conversas entre autoridades americanas e chinesas com a finalidade de resolver o impasse comercial entre os dois países. Durante a manhã, o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, afirmou a deputados não acreditar que Washington esteja em uma guerra comercial, mas travando disputas comerciais. Além disso, ele se disse aberto a negociações com Pequim.

Os agentes também monitoraram uma entrevista dada pelo presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Jerome Powell. Nela, o dirigente comenta que, apesar dos índices de preços mostrarem a inflação em 2%, a meta da autoridade monetária dos EUA ainda não foi atingida. Nesta quinta-feira, o Departamento do Trabalho dos EUA apontou que o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) avançou 2,9% na comparação anual de junho, na maior variação anual desde 2012. Mesmo, assim, para o gerente de portfólio da Globalt Investments, Tom Martin, "a inflação não parece estar ficando fora de controle ou rumo a um lugar onde as pessoas precisam reagir".



Compartilhe: