Jornal do Brasil

Sábado, 18 de Novembro de 2017

Economia

'FT': Ascensão de Doria e Bolsonaro é reflexo de vácuo político do Brasil

Jornal diz que país terá eleição presidencial mais imprevisível da história

Jornal do Brasil

Matéria publicada nesta quarta-feira (18) pelo Financial Times fala sobre a situação política e atual do Brasil, com uma leve recuperação nos mercados e a contínua crise política.

FT analisa: Um dos mercados emergentes de melhor desempenho enfrenta eleições presidenciais imprevisíveis, com nomes como o do senador de extrema direita Jair Messias Bolsonaro despontando nas pesquisas. 

O diário britânico lembra que o político e ex-capitão do exército tornou-se conhecido por citações impróprias  como dizer a uma colega de congresso que ela não merceia ser estuprada e que o maior erro da antiga ditadura militar do Brasil era torturar ao invés de matar suas vítimas.

Times aponta que o país enfrenta uma das eleições presidenciais mais imprevisíveis de sua história em outubro do próximo ano. No entanto, os mercados têm sido constantemente atraídos pela complacência por uma mistura de condições globais de liquidez e uma mudança na economia brasileira.

>> 'The Guardian': Acusado de corrupção e sem popularidade, por que Temer ainda é presidente do Brasil?

>> 'Clarín': Será difícil Temer superar erosão de sua figura após segunda acusação 

Um dos mercados emergentes de melhor desempenho enfrenta eleições presidenciais imprevisíveis 
Um dos mercados emergentes de melhor desempenho enfrenta eleições presidenciais imprevisíveis 

Esta semana, o governo do presidente Michel Temer, passou por mais uma turbulência política. 

A inflação caiu 6,8 pontos percentuais desde o início do novo governo em abril de 2016, o produto interno bruto está em subindo ligeiramente após o encolhimento no ano passado e a taxa de desemprego começa a cair

Após os dias difíceis de Rousseff, quando o déficit orçamentário parecia fora de controle, o governo de Temer vendeu aos investidores uma narrativa de responsabilidade fiscal e reformas de mercado no setor de petróleo, trabalho e outros.

Tão  bem que alguns investidores estão começando a se convencer de que o próximo presidente, não importa quem seja, continuará com as reformas de Temer.

Isso certamente faria muito sentido. Afinal, Temer ainda não conseguiu aprovar o mais importante, uma emenda constitucional para rever o generoso sistema de pensão do Brasil. A menos que a idade média de aposentadoria seja prolongada de meados da década de 50 até meados da década de 60, nos próximos dois anos, as despesas de pensão e folha de pagamento explodirão.

Primeiro, ninguém tem a menor ideia de quem será o próximo presidente. O surgimento de figuras uma vez periféricas como Bolsonaro  e João Doria, mostra a extensão do vácuo. De fato, embora ainda seja muito cedo para tirar conclusões, os principais candidatos nas pesquisas de opinião para a corrida presidencial são o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seguido de Bolsonaro.

O mais preocupante para os mercados seria o retorno de Lula. Mas ele foi condenado por corrupção e será impedido de concorrer se perder um recurso contra a decisão. Além disso, as pesquisas mostram que mais eleitores o rejeitam do que gostam dele.

Os investidores ficariam mais à vontade com o prefeito de São Paulo, João Doria, um recém-chegado político, semelhante ao bilionário de Nova York, Michael Bloomberg, ou seu antigo patrono político e agora rival, o conservador governador Geraldo Alckmin. Mas Doria é inexperiente e pouco conhecido fora de sua cidade natal. Alckmin, entretanto, é visto como um político da velha guarda em uma eleição em que os eleitores devem rejeitar o stablishment político.

Estes são apenas os candidatos conhecidos - há outros nomes emergentes, desde banqueiros até apresentadores de televisão e ex-juízes do Supremo Tribunal, que ainda podem roubar a cena.

Os investidores provavelmente não terão que se preocupar até depois do carnaval que acontece em fevereiro do próximo ano, quando a campanha realmente começará.

>> Financial Times

Tags: ações, brasil, comércio, economia, estados unidos, fgts, impostos, interncional, mercado, recessão, tecnologia, temer, trump

Compartilhe: