Jornal do Brasil

Domingo, 4 de Dezembro de 2016

Economia

'Bloomberg': Economistas preveem pior recessão brasileira desde 1901 

Governantes brasileiros estão lutando para controlar a inflação mais rápida em 12 anos

Jornal do Brasil

Matéria publicada nesta terça-feira (5) pela Blooberg NY, por David Biller, conta que segundo analistas, a economia do Brasil está passando por uma crise ainda maior que a prevista e caminhando para a recessão mais profunda desde 1901, com o mercado desacreditado e a turbulência política. A maior economia da América Latina deve encolher 2,95 % este ano, de acordo com a pesquisa semanal do Banco Central, realizada com 100 economistas, contra uma estimativa anterior de uma contração de 2,81 %. Ou seja, os economistas baixaram sua previsão de crescimento para 2016 após a conclusão de que a economia contraiu 3,71 por cento no ano passado e está a 13 semanas diminuindo. 

Os governantes brasileiros estão lutando para controlar a inflação mais rápida em 12 anos, que avança desenfreadamente em uma economia fraca, podendo fazer grandes estragos a curto prazo. O ministro das Finanças, Nelson Barbosa, que assumiu o cargo em dezembro, tem enfrentado uma forte pressão para colocar em prática as propostas de austeridade, justamente  destinadas a reforçar as contas públicas, evitando novos rebaixamentos de crédito. Um processo de impeachment e um escândalo de corrupção em expansão também têm dificultado a aprovação das políticas econômicas no Congresso.

"Estamos levando em conta um cenário muito desanimador", Flavio Serrano, economista sênior do Haitong em São Paulo, disse por telefone.

O diretor do Banco Central, Altamir Lopes, disse que a instituição vai adotar as políticas necessárias para trazer a inflação à sua meta de 4,5 por cento em 2017. Menos de uma semana depois, o chefe do Partido dos Trabalhadores da presidente Dilma Rousseff, Rui Falcão, disse que o Brasil deve considerar aumentar sua meta de inflação para evitar custos de empréstimos mais elevados.

Tags: bancos, crise, economia, finança, Juros, política

Compartilhe: