Jornal do Brasil

Sábado, 18 de Agosto de 2018 Fundado em 1891

Cultura

Há 55 anos, estreava 1ª novela diária da TV brasileira

Jornal do Brasil

Há 55 anos, ia ao ar pela primeira vez 2-5499 Ocupado, considerada a pioneira das novelas como conhecemos hoje - exibidas diariamente, pela televisão.

Tarcísio Meira e Glória Menezes formavam um casal no mundo da dramaturgia pela primeira vez - os dois se conheceram em 1961 e se casaram dois anos depois.

Ao todo, foram 42 capítulos exibidos entre julho e setembro de 1963. Apesar da relevância histórica, a qualidade da obra foi abertamente criticada por Tarcísio anos depois: "Era uma novela muito chata". Conheça mais detalhes sobre a produção a seguir.

2-5499 Ocupado

O nome da obra era referência a um número de telefone, em torno do qual girava a trama: a história de amor entre uma presidiária e um homem que era seduzido por sua voz após uma ligação por engano.

Curiosamente, um homem da região sul do Brasil precisou mudar o número de seu telefone, que era justamente o mesmo do título, devido ao excesso de ligações que recebia.

Diferente das grandes produções de hoje, foram produzidos apenas 42 capítulos, que duravam cerca de 20 minutos e geralmente tinham apenas duas cenas. Em toda novela, apareceram somente 12 personagens. No elenco, haviam nomes com Lolita Rodrigues e Neuza Amaral.

"Era uma novela curta para que se tentasse fazer alguma coisa e se visse a reação do público", contava Tarcísio Meira.

A história, porém, não é brasileira: foi escrita pelo argentino Migré, e chamava-se 0597 Da Ocupado. Chegou a ganhar versões em outros países, como a Colômbia. No Brasil foi traduzida e dirigida por Tito Di Miglio e adaptada por Dulce Santucci.

Em sua divulgação, a novela era anunciada como "a estranha história do impossível acontecendo".

A 1ª telenovela diária

À época, as novelas não iam ao ar de segunda a sábado, como ocorre hoje. A própria 2-5499 Ocupado teve seu início sendo exibida às segundas, quartas e sextas, tornando-se diária pouco depois.

A ideia de aumentar a frequência de exibição foi concebida pelo diretor artístico da TV Excelsior Edson Leite, que havia feito uma viagem à Argentina, onde as produções do tipo já estavam mais avançadas.

"Resolvi ser mais ou menos louco e botar a novela diária. Coloquei a primeira e deu certo. Coloquei a segunda, me chamaram de 'um pouco louco'. Coloquei a terceira novela diária e me chamaram de 'mais louco'", relembrava, anos depois.

"Quando vim da Argentina para fazer novela no Brasil, colocamos uma novela de segunda a sábado, que foi o que, no fim, agradou ao público e deu a felicidade e as emoções que o público tanto gosta", analisava Tito Di Miglio.

Em vez de dois ou três capítulos semanais, pela primeira vez uma novela era exibida diariamente na televisão brasileira.

A novela era boa?

"Era uma novela muito chata. Muito ruim", opinou Tarcísio Meira em entrevista à série de documentários Fazendo Novela.

Num episódio do programa TV 60 - A História da Televisão Brasileira, da TV Brasil, o ator falava um pouco mais sobre a reação do público à trama.

"A novela não dava nada. O horário era 'traço'. Era hora do jantar, e ninguém via televisão na hora do jantar. Quando a novela terminou já era um enorme sucesso. 30% de ibope, e artista brasileiro dar 30% de ibope na televisão naquele tempo era milagre!".

Remake

A trama ganhou um remake em 1999, chamado Louca Paixão e exibido pela Record TV, com Maurício Mattar e Karina Barum no lugar do casal principal.

Curiosamente, Lolita Rodrigues, do elenco original de 2-5499 Ocupado, também estava presente.



Compartilhe: