Jornal do Brasil

Quinta-feira, 16 de Agosto de 2018 Fundado em 1891

Cultura

Luciana Magno convida público a ler trechos da Constituição na sequência de ‘Rhodislandia’

Jornal do Brasil

A Copa do Mundo acabou no domingo – e, para o Brasil, há 15 dias –, mas as cores da bandeira sobem hoje em balões, com a sequência da série com a instalação Rhodislandia, no Studio OM.Art. 

A paranaense Luciana Magno é a convidada da vez para fazer uma performance dentro da instalação penetrável de Hélio Oiticica (1937-1980), montada em 1971, nos Estados Unidos, e que, pela primeira vez, é a peça principal de uma mostra do artista tropicalista, na galeria inaugurada em maio por Oskar Metsavaht. 

Lucianaconvidará opúblico a lertrechos de“Ação direta”, de José Oiticica,pai de Hélio

Com o cearense Solon Ribeiro, Luciana apresenta a performance “Sua utopia nas alturas”. Para celebrar, ela convidará o público a trazer a voz do pai de Hélio, José Oiticica (1882-1957), poeta e um dos principais articuladores, em 1918, de uma fracassada insurreição denominada anarquista, mas inspirada na revolução soviética de 1917 na Rússia. 

Com as cores verde, azul e amarela erguidas nos balões de gás, os visitantes serão convidados a ler trechos do livro “Ação direta”, de José Oiticica. “Neste momento complexo e ambíguo em que vive a democracia brasileira, vamos convidar também os participantes para celebrar conjuntamente as utopias na leitura de trechos da Constituição Brasileira (a lei suprema brasileira), inalando gás Hélio e solenizando assim a construção de uma sociedade ideal”, diz a artista. 

Também serão dados à leitura trechos da Constituição: “Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: Construir uma sociedade livre, justa e solidária. Garantir o desenvolvimento nacional. Erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais. Promover o bem de todos, sem preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação”. 

A exposição de Rhodislandia no Studio OM.Art foi aberta em 12 de maio, com Berna Reale, artista visual e perita criminal do Pará. Em 7 de julho, foi a vez de o baiano Ayrson Heráclito fazer uma performance ligada à umbanda e ao candomblé, dando banhos de pipoca nos visitantes. O coletivo Opavivará fecha a série em 4 de agosto.



Tags: caderno b, coletivo opavivará, cultura, performance, rhodislandia

Compartilhe: