Jornal do Brasil

Quinta-feira, 27 de Julho de 2017

Cultura

Com líder carismático, Playing for Change faz show lotado em SP 

Portal TerraMarina Azaredo

O quarto dia de shows do Bourbon Street Fest em São Paulo, nesta quarta-feira (15), começou menos animado do que os anteriores. Apesar do poderoso trio de trombones, o Bonerama, banda que inova ao dispensar os trompetes e saxofones e que foi responsável pela abertura da noite, não colocou o público presente para dançar. A banda foi competente e fez um show de mais de uma hora, com canções como HeroIndian Red e Riverside, mas o "problema" era outro: as cerca de 400 pessoas presentes no Bourbon Street estavam ali mesmo para ver o Playing for Change. A casa de shows da zona sul da cidade está recebendo a décima edição do festival que se propõe a trazer a música de New Orleans para o Rio de Janeiro, Brasília e Curitiba, além da capital paulista.

Segunda atração da noite, a banda Playing for Change surgiu a partir de um documentário filmado em 2004, no qual o produtor e engenheiro Mark Johnson viajou o mundo gravando pessoas cantando e tocando clássicos da música. A interpretação de Stand By Me ganhou mais de 40 milhões de pageviews no Youtube. Com o sucesso, o produtor teve a ideia de formar uma banda com alguns desses músicos e viajar pelo mundo. Esta é a terceira vez do Playing for Change no Brasil - eles estiveram por aqui dias vezes em 2011, inclusive para tocar no festival SWU, em Paulínia (SP).

A banda subiu no palco do Bourbon Street pouco antes da meia-noite e foi muito aplaudida logo no começo, principalmente após a entrada do cantor e gaitista Grandpa Elliot, que se tornou um símbolo do grupo. Cego, ele tocou durante décadas pelas ruas de New Orleans, antes da formação da banda. Elliot é tão adorado que nem precisou começar com palavras em português ou com longos discursos sobre o Brasil. Bastou um "hi" ("oi") para que o público fosse ao delírio.

Com músicos de diversas partes do mundo e repertório que vai do blues ao gospel, passando pelo reggae e pelo afropop, a banda tocou canções como Bien DanseFelengue e A Change is Gonna Come. O público não demorou a levantar e cair na dança entre as mesas do Bourbon Street, mas a empolgação foi geral mesmo com a latinidade de Margharita e o sucesso Three Little Birds, de Bob Marley. Além de Grandpa Elliot, destacou-se também a cantora sul-africana Titi Tsira, muito aplaudida.

Após uma hora e meia de show, a canção de encerramento foi, claro, Stand By Me, afinal era essa que todos queriam ouvir. No meio da música, Elliot ainda disse algumas frases que o público adora escutar ("nós amamos o Brasil, esse País é muito lindo, obrigado, obrigado") e emendou com o refrão da canção em português: "fica comigo, fica comigo, fica comigo". A plateia não se intimidou e cantou em coro. Todos os músicos deixaram o palco e, ao final, Elliot ainda cantou alguns minutos à capela. Não teve erro. Foi o fim que todos queriam para um dos shows mais esperados do festival.

O Playing for Change se apresenta de novo na sexta-feira (17) à 00h30, no Bourbon Street, e no domingo (19) às 18h30, em um palco montado na Rua dos Chanés, com entrada gratuita.

Tags: Casa, SP, festival, jazz, shows

Compartilhe: