Jornal do Brasil

Sexta-feira, 20 de Julho de 2018 Fundado em 1891

Ciência e Tecnologia

Astrônomos estudarão misterioso visitante interestelar em busca de sinais alienígenas

Pesquisadores usarão telescópios para observar o primeiro cometa a vir de fora do Sistema Solar

Jornal do Brasil

Cientistas estão observando o primeiro asteroide interestelar, chamado Oumuamua (Primeiro mensageiro, em havaiano), desde sua descoberta em outubro. A partir da quarta-feira (13), uma equipe de astrônomos o estudará em busca de sinais que possam ser associados a formas de comunicação de uma vida inteligente extraterrestre, informou o portal The Atlantic. O objeto rochoso e alongado foi detectado em outubro e, de acordo com os cientistas, tem origem em outro sistema solar.

Avi Loeb, professor de astronomia da Universidade de Harvard, entrou em contato com o bilionário russo Yuri Milner, o financiador do Breakthrough Listen, um ambicioso projeto científico para busca de vida extraterrestre em outras galáxias. O acadêmico pediu permissão para usar um dos maiores telescópios do mundo, situado na Virgínia Ocidental (EUA), para observar o Oumuamua, considerado o primeiro cometa a vir de fora do Sistema Solar, em busca de sinais de rádio alienígenas.

Desta forma, Breakthrough Listen anunciou em um comunicado que o telescópio do Green Bank estudará o objeto interestelar a partir da quarta-feira. Espera-se que a primeira fase de observações dure dez horas e sintonize quatro bandas de transmissão de rádio diferentes.

Cometa atravessou o sistema solar

"É provável que seja de origem natural, mas dado que é tão peculiar, gostaríamos de provar se mostra algum sinal de origem artificial, como emissões de rádio", disse Loeb, que também é consultor do projeto Breakthrough Listen. "Se detectarmos um sinal que pareça ter uma origem artificial, saberemos imediatamente."

Além disso, Loeb sublinhou que "caso a maioria dos objetos interestelares sejam naturais, ainda poderia haver um em um milhão que seja especial". Portanto, o pesquisador concluiu: "Devemos verificar todos e cada um deles."

De acordo com Andrew Siemion, diretor do SETI Research Center da Universidade da Califórnia em Berkeley, a presença de Oumuamua dentro do nosso Sistema Solar permite que Breakthrough Listen “alcance sensibilidades sem precedentes a possíveis transmissores artificiais”. 

Milner, por sua vez, opina que sua equipe de pesquisadores deve se aproveitar da oportunidade para estudar Oumuamua antes que ele desapareça para sempre. O asteroide passará pela órbita de Júpiter no próximo ano e estará mais longe do que Plutão em 2020.

>> Sputnik

Sputnik


Tags: asteroide, astronomia, cientistas, cometa, espaço, terra

Compartilhe: