Jornal do Brasil

Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Ciência e Tecnologia

Império Celestial se dirige às estrelas: China revela seu ambicioso programa espacial

Sputnik

A China tenciona reforçar seu sistema de transporte espacial no âmbito de seu objetivo estratégico de se tornar uma superpotência espacial, de acordo com o quadro de referência para 2017-2045, publicado no site da Corporação de Ciência e Tecnologia Aeroespacial da China.

agenda estabelece um conjunto de objetivos ambiciosos, descrevendo o que nas próximas décadas a República Popular planeja atingir no espaço.

Até 2020, Pequim planeja modernizar sua família de foguetes Longa Marcha, um dos quais, o  Longa Marcha 8, deverá fazer seu voo experimental  em 2019.

O foguete Longa Marcha 9, capaz de transportar mais de 100 toneladas de carga e projetado para enviar missões tripuladas à Lua e não tripuladas a Marte, realizará seu primeiro voo em 2030, como parte do programa chinês de exploração da Lua e de Marte.

Também, até 2020, Pequim planeja começar a prestar vários serviços de lançamento comercial, que serão relativamente baratos e eficazes devido à modernização em curso de seus foguetes portadores.

De acordo com a agenda, até 2025, a China planeja também passar a utilizar seu próprio veículo espacial reutilizável e tornar todos os seus veículos espaciais reutilizáveis até 2035. Isso ajudaria a desenvolver a indústria do turismo espacial suborbital, já que o primeiro ônibus espacial da China realizará seu voo inaugural em 2020.

Além disso, o país asiático planeja lançar uma nova geração de foguetes reutilizáveis de dois estágios e ônibus espaciais de energia nuclear, com vista à prospeção de recursos minerais em planetas e asteroides pequenos, bem como para construir estações de energia solar no espaço.

Nas últimas décadas a China tem alcançado grandes êxitos na área de exploração do espaço. O país pretende pousar no lado escuro da Lua até 2018, e chegar a Marte antes do final da década. 

Desde 2003, a República Popular tem organizado passeios espaciais, fez pousar um rover na superfície da Lua e inaugurou um laboratório espacial que, como se espera, preparará o terreno para uma estação espacial de 20 toneladas.

A construção de novos centros de lançamento espacial, ambiciosos programas de exploração da Lua e de Marte, voos espaciais regulares fazem com que o país rapidamente ocupe seu nicho na exploração espacial em pé de igualdade com a Rússia e os EUA.

Tags: 2020, china, espacial, espaço, programa

Compartilhe: