WikiLeaks: mãe de Assange acusa Austrália de abandonar seu filho

SYDNEY - A mãe do fundador do WikiLeaks, o australiano Julian Assange, que se apresenta nesta sexta-feira à justiça londrina para tentar impedir sua extradição para a Suécia, acusou o governo da Austrália de ter abandonado seu filho.

Christine Assange disse que o ex-primeiro-ministro e atual chanceler Kevin Rudd não cumpriu com suas promessas de dar assistência diplomática a seu filho, acusado de estupro na Suécia.

"Nem mesmo deram a Julian o notebook que prometeram publicamente e de que ele precisava para preparar o julgamento quando estava na prisão", escreveu a mãe do fundador do WikiLeaks em uma carta de oito páginas, que ela mesma entregou ao gabinete do ministro.

"Que eu saiba, não apresentaram protesto diplomático algum à Suécia pelos abusos em termos de direitos legais e humanos de meu filho, nem aos Estados Unidos, por incitarem o sequestro e o homicídio", de Julian Assange.

Christine Assange disse ainda que Rudd deveria renunciar se não pedir à Suécia que suspenda a extradição e diga aos Estados Unidos para processar quem ameaçar seu filho.