Detido ex-banqueiro suíço que deu informações ao WikiLeaks

ZURIQUE, Suíça  -O ex-banqueiro suíço Rudolf Elmer, considerado culpado na quarta-feira pela Justiça suíça de violar em várias ocasiões o sigilo bancário, foi detido preventivamente dias depois de entregar documentos ao site especializado na divulgação de arquivos secretos WikiLeaks, noticiou este domingo a imprensa suíça.

Elmer, ex-encarregado da filial nas Ilhas Cayman do banco Julius Baer, foi detido no sábado por risco de destruição de provas e forte suspeita de culpa, informou sua advogada, Ganden Tethong Blattner, citada pela agência suíça ATS.

A advogada informou que seu cliente apelaria da decisão perante o tribunal cantonal de Zurique.

O ex-banqueiro, de 55 anos, foi condenado na quarta-feira a uma multa pelo tribunal de primeira instância de Zurique por violação repetida do sigilo bancário.

Demitido em 2002 pelo seu empregador, um dos primeiros bancos privados da Suíça, Elmer levou consigo muitos documentos internos, que entregou à imprensa suíça e em 2007 ao WikiLeaks.

Assim que saiu de sua ação, o banqueiro foi novamente detido pela polícia de Zurique.

As causas desta detenção foram dois discos de dados bancários que Elmer entregou na segunda-feira ao fundador do site WikiLeaks, Julian Assange, em Londres.

A Justiça suíça havia informado que estava tentando determinar se o banqueiro violou de novo o sigilo bancário suíço.

"A Suíça se coloca na alça de mira com este tipo de ação", afirmou Assange, citado pelo jornal dominical Sonntag.

Segundo Assange, a detenção de Elmer justifica que o WikiLeaks publique agora com maior rapidez os dados fornecidos pelo ex-banqueiro.

Em seu site na internet, o WikiLeaks destacou que os documentos serão publicados no máximo em duas semanas.