Dissidentes do WikiLeaks finalizam projeto chamado OpenLeaks

Dissidentes do portal WikiLeaks e pessoas irritadas com seu fundador, Julian Assange, anunciaram nesta sexta-feira (10) que finalizam um projeto semelhante, chamado OpenLeaks, que será lançado em breve e terá como objetivo facilitar o vazamento diretamente para a mídia.

Ao contrário do WikiLeaks, o portal OpenLeaks não publicará diretamente na internet, mas permitirá que os meios de comunicação parceiros recebam as informações, explicaram o ex-porta-voz alemão do WikiLeaks, Daniel Domscheit-Berg, e o antigo membro da organização, o islandês Herbert Snorrason.

"OpenLeaks é um projeto tecnológico que tem por objetivo ser um prestador de serviços a terceiros que desejam receber informações de fontes anônimas", declarou Domscheit-Berg em um documentário sobre o Wikileaks que será transmitido no domingo à noite pelo canal de televisão sueco SVT, e que a AFP teve acesso.

O link do futuro do portal, openleaks.org, está ativo e anuncia que estará "disponível em breve".

Seus promotores explicaram que abandonaram o projeto do WikiLeaks por divergências com a estratégia seguida por Assange e criticaram sua "atitude ditatorial".

Criado em 2006, o site WikiLeaks, especializado na publicação de documentos confidenciais, causou uma tempestade diplomática com a divulgação de milhares de telegramas diplomáticos americanos.

Seu fundador, o australiano Julian Assange, está preso desde terça-feira em Londres, em virtude de uma ordem de prisão internacional lançada pelas autoridades suecas por um suposto caso de estupro.