WikiLeaks: parceiros comerciais temem insolvência de Cuba

Diplomatas dos principais parceiros comerciais de Cuba temem que a economia cubana entre em colapso no prazo de dois anos, revelam documentos da diplomacia americana divulgados pelo site WikiLeaks.

A incapacidade cubana de enfrentar sua dívida externa e os efeitos da crise internacional poderão "ser fatais em dois ou três anos", estimam diplomatas de Brasil, China, Itália, Espanha, França, Canadá e Japão, citados em um relatório secreto dos Estados Unidos vazado pelo WikiLeaks e reproduzido nesta quinta-feira pelo jornal espanhol El País.

Os sete diplomatas participaram de um almoço oferecido por um colega americano, o que motivou o documento redigido pelo chefe da Sessão de Interesses dos Estados Unidos em Havana, Jonathan Farrar, em fevereiro passado.

"Itália diz que suas fontes no governo de Cuba sugerem que o país pode estar insolvente já em 2011".

Segundo o texto, a lentidão das reformas estruturais anunciadas pelo presidente Raúl Castro pecam pela "indecisão devido ao temor das consequências políticas da mudança".

Na visão dos diplomatas, a única mudança importante realizada em cinco anos foi a entrega de terras ociosas a produtores privados, mas seu resultado é ineficiente devido à inexperiência dos beneficiados, à falta de recursos e aos obstáculos à comercialização.

Os diplomatas também apontam que as decisões financeiras passaram do Banco Central para o ministério da Economia, onde é cada vez maior a presença dos militares.