Caso Isabella: polícia deveria abrir leque, diz avô

Portal Terra

SÃO PAULO - Antônio Nardoni, pai de Alexandre Nardoni, disse nesta quinta-feira ao chegar ao 9º Distrito Policial, que a polícia tem de abrir o leque de investigações.

- Existem outros canais de investigação que teriam de ser levados em consideração - afirmou.

Ele ainda acredita na possibilidade de uma terceira pessoa no local do crime.

- Não tem como dizer se existe uma terceira ou quarta pessoa. Não cabe a mim adivinhar, mas essa possibilidade e cada vez mais próxima e nós estamos provando isso. Isso está ficando comprovado também nos laudos - completou.

Nardoni e a filha, Cristiane, devem prestar depoimento no sábado. Ele voltou a dizer hoje que deu um telefonema para a filha na noite do crime, mas descarta que tenham falado alguma coisa comprometedora.

- O (depoimento sobre o) telefonema é um absurdo, ele não condiz com a realidade. Esses depoimentos, que se referem a ela (filha), são mentirosos.

- Não tenho condição de dizer se é complô ou não. Tenho certeza que eles são inocentes. Se é complô ou não cabe à polícia investigar. Acho que ela tem de abrir o leque de investigação, pois desde o começo, eles direcionaram somente para o casal.

Isabella Nardoni, 5 anos, foi encontrada ferida, no sábado, dia 29, no jardim do prédio onde moram o pai, Alexandre Nardoni, e a madrasta, na zona norte de São Paulo. Segundo os Bombeiros, a menina chegou a ser socorrida e levada ao Pronto-Socorro da Santa Casa, mas não resistiu aos ferimentos e morreu por volta da 0h. O casal ficou preso por 9 dias por suspeita de participação na morte.