Já são 814 mortos e 513 desaparecidos na Região Serrana do Rio

 

O número de desaparecidos depois das fortes chuvas que castigaram a Região Serrana do estado chegou a 513, na tarde de segunda-feira (24). O último balanço divulgado pelo Programa de Identificação de Vítimas (PIV) do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) dava conta de mais 44 desaparecidos em relação à contagem anterior, que era de 469 pessoas.

O total de mortes registradas até ontem também cresceu. De 810 vítimas, o número aumentou para 814.

Em Teresópolis, a quantidade de desaparecidos registrados é de 234. Na cidade, o posto do PIV funciona na Praça Luís de Camões, no Centro da cidade.  

Em Nova Friburgo, o número chegou a 187. O posto friburguense do PIV fica na Praça Demerval Barbosa, também no Centro. Coordenado pelo procurador de Justiça Rogério Scantamburlo e pelo promotor Pedro Borges Mourão, o PIV consolida diariamente as listas com informações registradas por parentes e amigos, e checadas com os dados de hospitais e do IML.

O PIV em Petrópolis funciona na Coordenação do Centro Regional, na Rua Marechal Deodoro 88, no Centro. O MPRJ também montou um posto de atendimento avançado na Sala do MP no Fórum do Distrito de Itaipava, na Estrada União Indústria s/nº, ao lado do Corpo de Bombeiros. Os postos estão abertos de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h.

O Centro Regional de Apoio Administrativo e Institucional (CRAAI) de Teresópolis, do MPRJ, disponibilizou no site da instituição uma lista nominal dos abrigados, hospitalizados e do IML do Município.

Fundo de Garantia

O Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) será liberado para um total de 173.039 trabalhadores das regiões atingidas pelas chuvas no estado do Rio, segundo dados do Conselho Curador do fundo. O dinheiro estará disponível para os trabalhadores de Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo. A estimativa é que sejam sacados R$ 492 milhões e o valor limite de saque é de 10 salários mínimos (R$ 5.400) por pessoa.

Para que a população das regiões atingidas possa sacar o FGTS, o município precisa decretar estado de calamidade pública ou situação de emergência, com o reconhecimento do Ministério da Integração Nacional. Além disso, a prefeitura deve delimitar e entregar à Caixa a Declaração de Áreas Afetadas.

Depois disso, o trabalhador pode fazer o pedido de saque na Caixa, comprovando morar em uma das áreas afetadas. O trabalhador tem até 90 dias, após a publicação do estado de calamidade ou de emergência, para solicitar o saque. O intervalo entre uma movimentação e outra não pode ser inferior a 12 meses.

 

Os números atualizados pelo PIV de registros de desaparecidos são os seguintes:

 

Teresópolis – 234

 

Nova Friburgo – 187

 

Petrópolis – 45

 

Localidades não informadas – 38

 

Sumidouro – 4

 

Bom Jardim – 2

 

Cordeiro – 1

 

São José do Vale do Rio Preto – 2