'Jornal do Brasil' entrega donativos às vítimas da Região Serrana do Rio

A campanha JB Solidário, que arrecadou dois caminhões de donativos para as vítimas das chuvas que castigaram a Região Serrana do Rio, deixando mais de 760 mortos (número computado até esta sexta-feira), seguiu na quinta-feira para Nova Friburgo para entregar o material arrecadado.

As doações foram encaminhadas pessoalmente pela diretora-presidente do Jornal do Brasil, Ângela M. P. Moreira, ao Colégio Nossa Senhora das Dores (CNSD), centro de Friburgo, onde funciona um posto de captação, triagem e distribuição de mantimentos, sob organização da diocese do município. As arrecadações do JB contaram com a parceria da Casabella Fragrâncias Ltda, franqueada do O Boticário da cidade de Sorocaba (SP), e da empresa de leite Godam.

Coordenador de captação e distribuição de alimentos da diocese de Nova Friburgo, o padre Roberto Cochorowski, 33 anos, há cinco meses vivendo na cidade, mostrou-se “impressionado” com os ânimo e motivação do voluntariado. De acordo com o religioso, desde o início da arrecadação dos donativos, em 12 de janeiro, passaram pelo ginásio da instituição cerca de 350 toneladas de roupas, alimentos, remédios e produtos de higiene pessoal e limpeza.

– Existem coisas que se fossem feitas para nós mesmos, não seriam realizadas com tamanha força de vontade como quando feitas em benefício do próximo – analisou, referindo-se aos doadores e voluntários. – Um senhor catarinense, que presenciou a tragédia, esteve aqui e disse jamais ter visto tamanhas solidariedade e motivação.

Em Vieira, distrito de Teresópolis, Marciane Pereira dos Santos de Moraes, de 32 anos, que perdeu uma prima e uma sobrinha que moravam no fundo de sua casa, avaliou a importância dos donativos para a população serrana.

– Meus parentes gritavam por socorro a poucos metros de mim, mas nada pude fazer. É um momento de muita dor, pelo qual não esperávamos. Felizmente, a bondade das pessoas nos permite recomeçar a vida. 

 O caminho até a Serra

Um caminhão recolheu os donativos arrecadados na sede do JB, no Rio Comprido (Zona Norte do Rio). De lá, seguiu para a sede da Polícia Rodoviária Federal (PRF), no Jardim América (Zona Norte), às margens da Rodovia Presidente Dutra, onde funciona um entreposto da Cruz Vermelha. Do local, outros dois caminhões, um do JB e outro de uma empresa de leite, seguiram, em comboio, com batedores da PRF, rumo a Nova Friburgo.

Para o agente da PRF, Jorge Luiz Antunes, “acostumado aos crimes e trânsito”, e que constantemente tem visitado os municípios afetados pela chuva, iniciativas como a do JB são, e serão, “fundamentais” para a reconstrução da Região Serrana.

– Participar e promover esses trabalhos humanitários é o mínimo que cada um pode fazer. Nessas horas é que vemos o tamanho da generosidade da população brasileira. Até as estradas estão mais tranquilas, com menos imprudências e ocorrências de crimes – comemorou o policial.

Doações no JB

O JB continua a receber doações para as vítimas da Região Serrana. O posto funciona na Rua Paulo de Frontin, 568, Rio Comprido, 24 horas por dia.

A direção da Cruz Vermelha orienta que não há mais a necessidade do envio de roupas para as vítimas. No momento, não é preciso também doar água potável. De acordo com a instituição, o que foi enviado através das doações já supre as necessidades.

No momento, os itens preferenciais são cestas básicas (de preferência, já montadas), leite em caixa, leite para recém-nascidos, cloro, travesseiros e material de limpeza (como vassouras e rodos). 

 

Agradecimentos

A diretora-presidente do JB, Ângela M. P. Moreira, destacou a importância do apoio recebido por parceiros para o sucesso da ação de entrega dos donativos. Eis a nota de agradecimento:

Em nome do Jornal do Brasil, agradeço o apoio do presidente da Cruz Vermelha de Friburgo, Jânio de Carvalho, da coordenadora do posto da Cruz Vermelha em Friburgo, Andressa Emmerick, da diretora executiva da Cruz Vermelha do Rio, Rosely Sampaio, do coordenador do posto 0 de arrecadação da Rodovia Presidente Dutra, Marcelo Muniz, do padre Roberto Cochorowski e da Polícia Rodoviária Federal.

Ângela M. P. Moreira

Diretora-presidente