Polícia revela que atirador deixou uma carta

RIO - O homem que abriu fogo em uma escola em Realengo, na Zona Oeste do Rio, e identificado pela polícia como Wellington Menezes de Oliveira, de 24 anos, deixou uma carta com frases desconexas, mas com características fundamentalistas, informou o tenente-coronel Djalma Beltrame, comandante do 14º BPM (Bangu),

- Ele fazia uso de sites muçulmanos e entrava na internet para ter acesso a coisas que não fazem parte do nosso povo. É um louco. Só uma pessoa alucinada poderia fazer isso com crianças - afirmou o comandante, que informou que a carta foi entregue ao delegado de Homicídios.

Beltrame disse que o atirador tinha a determinação de se suicidar depois da tragédia.

Uma funcionária da Escola Municipal Tasso da Silveira afirmou que viu várias crianças feridas no local. “O cara entrou, foi para o terceiro andar e começou a atirar. As crianças disseram que foi pai de aluno. Vimos muitas crianças carregadas, desacordadas, baleadas”, disse ela, que preferiu não se identificar.