Ministros da Justiça e da Educação vão acompanhar desdobramentos de crime no Rio

BRASÍLIA - Os ministros da Justiça, José Eduardo Cardozo, e da Educação, Fernando Haddad, vão coordenar pessoalmente as ações e as providências tomadas em relação ao crime em Realengo, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. A ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, que cumpre agenda em Belo Horizonte (MG), decidiu que também vai acompanhar os desdobramentos do caso pessoalmente e segue, na tarde de hoje, para o Rio de Janeiro.

Ao ser informado sobre a tragédia na escola municipal, Cardozo telefonou para o governador do Rio, Sergio Cabral, e o prefeito da capital, Eduardo Paes. Na conversa, o ministro se colocou  à disposição do governo estadual e da prefeitura. Em João Pessoa (PB), onde participa de uma solenidade, Cardozo pediu um minuto de silêncio em solidariedade às vítimas da tragédia no Rio.

Em nota, Haddad lamentou o ocorrido e disse que hoje é dia de luto para a educação brasileira. “Hoje é um dia de luto para a educação brasileira; uma tragédia sem precedentes”, afirmou Haddad, ao chegar a Porto Alegre, nesta manhã. O ministro informou que toda a rede federal carioca está à disposição da prefeitura do Rio e das famílias das vítimas.

Haddad suspendeu as atividades que estavam marcadas para tarde de hoje em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, e decidiu voltar para Brasília – de onde coordenará as ações.

Na manhã de hoje, Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos, atirou contra estudantes e funcionários da Escola Municipal Tasso da Silveira. Os dados mais recentes indicam 12 mortos – inclusive o atirador – e 18 feridos. Entre os alunos mortos, foram dez meninas e um menino.