Assembleia de condomínio se moderniza para ser mais agradável

Seria exagerado afirmar que as assembleias de condomínios são um mal necessário? Necessárias, elas são porque é preciso realizar as ordinárias uma vez ao ano e as extraordinárias sempre que houver necessidade, o que ocorre pelo menos umas três vezes ao ano. Mas é muito difícil encontrar alguém que diga com sinceridade que adora participar de assembleia de condomínio. Prova de que elas não são atrativas é o reduzido número de condôminos que delas participa. Em geral, falta objetividade, as pessoas conversam entre si, discutem e até mesmo brigam. Ou, então, passam a falar sobre coisas que nada têm a ver com o que está sendo tratado. 

Seguir a pauta constante da “ordem do dia” é um verdadeiro desafio. Dessa forma, a assembleia se prolonga até tarde, os participantes se cansam e vão se retirando pouco a pouco, com o firme propósito de não participar da próxima. É claro que há exceções. Mas são realmente exceções. Para minimizar o desgaste e a falta de interesse, algumas empresas criaram programas para realização de assembleias virtuais. Entretanto, há inúmeras dificuldades a serem transpostas. 

Assim, o grande desafio é: como fazer uma assembleia em que os assuntos sejam decididos num clima agradável e de forma rápida? Muitas pessoas já se debruçaram sobre o tema, tendo algumas concluído que é como injeção: é preciso tomar, mas não existe ninguém que goste. 

Aqui vão algumas sugestões: 

- É melhor convocar mais assembleias, cuja pauta tenha no máximo três itens, do que uma anual com nove ou dez itens. Elas serão mais rápidas, não cansarão e propiciarão maior objetividade. 

- Se possível, evite fazer constar o item “assuntos gerais”. O que as pessoas vão pedir ou de que queixar-se, ou dar ideias, poderá muito bem ser feito pessoalmente, através de e-mail ou telefone. Mesmo porque em “assuntos gerais” não são permitidas decisões mais importantes, como rateios ou obras, que necessitam estar previstos expressamente na ordem do dia. 

- Alguns itens necessitam ser explicados com antecedência, talvez até através de circular, informando aos condôminos o que significam. Um exemplo é o item “ratificação dos termos da ata da assembleia anterior”. Em muitas ocasiões, os condôminos pensam ser possível rediscutir os assuntos, quando na verdade é somente sobre a redação que se ratifica ou se fazem algumas alterações, se porventura certo trecho não refletiu exatamente o que foi dito ou decidido. 

- Outro item é a previsão orçamentária. Recomenda-se que seja distribuída com antecedência de alguns dias da assembleia, assim os condôminos terão ocasião de ler detalhadamente e poderão discutir com maior propriedade. 


 * Daphnis Citti de Lauro, advogado e especialista em direito imobiliário, principalmente na área de condomínios e locações, é autor do livro 'Condomínios: Conheça seus problemas'