Energia política

No sentido mais antigo, que remonta a 1400, a palavra revolução caracteriza “caso de grande mudança ou alteração num determinado estado de coisas”. A Revolução Industrial no século 18. Pela primeira vez na história, a economia e o conhecimento estavam crescendo com rapidez bastante para gerar um contínuo fluxo de melhorias.

A Revolução Industrial também transformou o equilíbrio de forças políticas – dentro de nações, entre nações e entre civilizações; revolucionou a ordem social; e mudou tanto os modos de pensar quanto os de fazer as coisas. A ênfase incidiu, portanto, mais sobre o profundo do que sobre o rápido.

Veja-se, por exemplo, o caso da energia do vapor. A primeira máquina a vapor propriamente dita (com pistão) foi a de Thomas Newcomen em 1705. Apenas em 1768 James Watt inventou uma máquina com o condensador separado do cilindro. Nesse meio tempo, engenheiros e mecânicos tiveram que solucionar uma longa série de pequenos e grandes problemas de manufatura e manutenção.  

O tamanho e a potência das máquinas a vapor estavam limitados pela inércia do pistão. O movimento para trás e para diante exigia a utilização de enorme quantidade de energia para reverter a direção. A solução só foi encontrada por Charles A. Parson em 1884, na conversão do movimento alternado para rotativo, ao substituir os pistões por turbinas a vapor. Estas turbinas foram introduzidas nas usinas de força motriz no final do século 19 e, pouco depois, nos próprios navios.

A grande vantagem do movimento rotativo sobre o movimento alternativo reside em sua eficiência energética: não requer que a parte móvel mude de direção a cada curso; ela continua girando. Tudo é função de massa e velocidade: se o trabalho for feito com bastante lentidão e equipamento leve, o movimento alternativo dará conta do recado, embora por um determinado custo. Entretanto, para as grandes peças e velocidades mais elevadas, o movimento alternativo torna-se impraticável.

Se a sucessão interminável de manifestações em praça pública por todo o país é a energia do vapor capaz de impulsionar o pesado navio da reforma política, qual é o movimento mais adequado para hoje?

O movimento em prol da realização do plebiscito privilegia o rápido em detrimento do profundo. E vai exigir que a parte móvel da reforma mude de direção a cada novo curso dos acontecimentos. Daí que a reforma não será um “caso de grande mudança ou alteração num determinado estado de coisas”. 

* Tarcisio Padilha Junior é engenheiro.