A gente não quer só comida...

Uma senhora que recebe Bolsa Família declarou que o valor é insuficiente para comprar uma calça jeans para sua filha de 16 anos. Disse, ainda, que um jeans para uma menina desta idade custa mais de 300 reais. As reações foram as mais variadas, do choque ao escárnio: como alguém com um padrão tão dispendioso de consumo pode receber o benefício? O Bolsa Família não se destina a cobrir despesas de sobrevivência? 

A ideia de um programa de distribuição de renda é realmente atender, de modo emergencial, a necessidades básicas, e, em princípio, roupas caras não seriam parte dessas necessidades. Mas vivemos em um tempo de consumo exacerbado, em que se divulga incessantemente o comportamento e a aparência que as pessoas “bem sucedidas” devem ter — e isso é particularmente doloroso para jovens que não conseguem se adequar a esse ideal. Muitos adolescentes que entram no mundo do crime o fazem para obter os tênis e celulares “da moda”, para ter as roupas “de marca”, para se sentirem integrados num mundo mostrado como paradisíaco e que é vedado a eles. 

As calças jeans eram vestimentas de trabalhadores braçais, até que na década de 1950 os roqueiros as popularizaram. Práticas, resistentes, baratas, tornaram-se o uniforme de gerações, usadas ao natural, desbotadas ou decoradas segundo gostos pessoais. Foi quando a indústria da moda resolveu “agregar valor ao produto”, criando os jeans de grife, em quase nada diferentes dos demais, mas com enormes logomarcas de estilistas, enfeites dourados e outras firulas — e com preços muito acima de 300 reais. 

O mesmo ocorre com um grande número de produtos. Calçados destinados à prática de esportes têm características funcionais, trazem elementos de amortecimento, fixação e outros, que podem mesmo fazer diferença no desempenho e na segurança de atletas — mas são procurados, em grande parte, apenas por serem caros, símbolos de status e riqueza, ou insensatez. 

Em outros tempos, sempre havia mãe, tia ou avó, com habilidade na máquina de costura para copiar, de certa forma, as roupas das princesas de cinema — e as meninas de 16 anos iam, lindas como todas as adolescentes, para a festa. Hoje se exige um certificado de autenticidade, uma etiqueta que pouco falta para ser mesmo a etiqueta de preço. As meninas querem jeans que custam mais de 300 reais. E como podem as mães que sobrevivem com menos que isso explicar aos seus filhos que eles não podem ter aquelas “chaves para o sucesso”? 

Alguns rappers americanos acharam um atalho irônico entre objeto e significado: quando ganham muito dinheiro, penduram no pescoço pesadíssimos cifrões de ouro, pura metalinguística. Nas escolas, jovens desprezam os uniformes que, em princípio, eliminariam distinções sociais e trariam igualdade no enfrentamento do processo educacional, pela absoluta originalidade de sua personalidade, demonstrada, claro, pelas roupas. Professores se desesperam com inadequações gritantes; agressões acontecem por sentimentos de falta (ou de excesso); grupinhos se dividem entre aqueles que podem e os que não podem. 

Felicidade parece ter se tornado uma calça nova, azul e muito cara... 


 * Wanda Camargo, educadora , é assessora da presidência das Faculdades Integradas do Brasil.