Os sete cavalheiros do Apocalipse e uma mulher

O título adequa-se melhor ao de um filme pornô, mas tem algo a ver. Após dilapidarem quase todo o patrimônio do Flamengo com suas administrações, no mínimo negligentes, os sete cavalheiros do Apocalipse, vendo que ainda resta algum patrimônio na faixa de Gaza, isto é da Gávea, resolveram voltar a reboque de um candidato estrangeiro, mas cheio de dinheiro na burra, que atacou todos os conselheiros do clube chamando-os de “corja”, e incompetentes todos aqueles que agora o apoiam, não se sabe por que razões. 

Ao chamar de “corja” os conselheiros do clube, o Conselho de Administração deu como resposta a exibição de um espelho, onde os ofensores viram-se retratados e devolvidas as ofensas recebidas. Mas a melhor resposta foi dada por 70% dos conselheiros que o reprovaram com toda a força de seus seguidores cavalheiros apocalípticos. 

Hoje, através de matéria paga lançam sobre a atual administração a responsabilidade pelas dívidas eternizadas no Flamengo através de administrações que sonegavam impostos e deixavam de pagar os atletas e funcionários, gerando milhões em dívidas fiscais e trabalhistas. Financiam um conhecido cronista esportivo, que perdeu o emprego por estar faltando com a verdade no ar, para divulgar em sua coluna pesquisas eleitorais mentirosas, visando, como é de seu costume, ludibriar os leitores e eleitores. 

Mas o que também está escrito é que não é o fim do mundo, e a verdade triunfará através da vontade dos eleitores que conhecem de longa data esses cavalheiros e não hão de se deixar enganar. E, ainda que uma Mulher, rodeada de estrelas do céu haverá de pisar a cabeça dessas cobras, e destruirá o preconceito e o machismo covarde de sete que se unem contra uma mulher que ousou desafiar os “donos do poder” e tem vencido esse embate com galhardia e coragem.

* Siro Darlan Oliveira, desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, é membro da Associação Juízes para a Democracia. - [email protected]