Fé e política: construção coletiva

Meio-dia, telefono para saber se o Mateus já nasceu. O pai, Eduardo, conta que só está esperando para ser chamado, porque os trabalhos de parto estão para começar. Metade da tarde, Osni, do Jardim Ângela, São Paulo, para a reunião para anunciar: o Mateus nasceu, de parto normal. A mãe, Meire, está bem. E termina: É o filho do Movimento Fé e Política que nasceu.

Meire é a secretária do Movimento Fé e Política nacional, hospedado generosamente na sede da Pastoral Operária. Quem aplaudiu a chegada gloriosa do Mateus era a Coordenação Nacional do Movimento Fé e Política, reunida na Universidade Católica, Taguatinga, Brasília, junto com a Coordenação local em 25 de agosto. Estavam na preparação do 9º Encontro Nacional Fé e Política, em 15, 16, 17 de novembro de 2013, nas dependências da Universidade.

Como nasce um Encontro de Fé e Política? No último Encontro Nacional, realizado em Embu das Artes, São Paulo, em 29 e 30 de outubro de 2011, Daniel Seidel, hoje secretário de Desenvolvimento Social e Transferência de Renda do Distrito Federal, e outros companheiros/as presentes, apresentaram o interesse de organizar o 9º Encontro. Mais cidades se apresentaram. Vistas as condições que cada local apresentava – de realização, possibilidade de hospedar milhares de pessoal, questões geográficas de facilidade de acesso, apoio local de igrejas e movimentos sociais, etc –, a Coordenação nacional optou por Brasília.

Começaram as primeiras reuniões de preparação, uma em Belford Roxo, Rio de Janeiro,  outras em Brasília: análise de conjuntura para começar a desenhar o tema central do Encontro, questões de organização e formato do Encontro, número provável de participantes. Até que acontecesse a reunião de 25 de agosto, aniversário de Frei Betto, lembrado também por ser um dos fundadores do Movimento, e dia de chegada do Mateus. Participantes, 30 pessoas: Coordenação Nacional e representantes de igrejas, entidades e instituições locais.

Principal debate: tema geral do 9º Encontro. Muitas perguntas. Que conjuntura se apresentará em novembro de 2013, daqui a um ano e meio? Como prever? Fala-se da crise econômica no mundo, seus reflexos, o sistema capitalista e seus valores em questionamento. A crise se aprofundará? Fala-se da América do Sul, que resiste bravamente à crise e está em busca de um modelo alternativo, com justiça social, distribuição de renda, igualdade, não consumista, cuidando em primeiro lugar da natureza e das pessoas. Quais os rumos da América Latina? Fala-se do projeto sócio-desenvolvimentista brasileiro, seus avanços e contradições. Quando acontecerão reformas estruturais, como a agrária, a tributária, a do Estado e política? Fala-se de um outro mundo possível. É possível? Fala-se de valores. Quais valores? Fala-se da juventude e seus dilemas. Qual o futuro dos jovens? Fala-se das mídias sociais. Como lidar com estes meios de comunicação de massa?  Alguém lembrou o brasiliense Renato Russo e perguntou: "Que país é esse?" Que país teremos amanhã? Outros lembram do bioma Cerrado, dentro do qual está Brasília. Sobreviverá à destruição?

Tantos assuntos, tantas perguntas!

Depois de horas de reflexão e debate, surge o tema central, como nasceu Mateus para o mundo, integrando todas as reflexões, interrogações e esperanças, agradando a todas e todos os presentes: CULTURA DO BOM-VIVER: PARTILHA E PODER.

O Movimento Fé e Política, segundo sua Carta de Princípios, é ecumênico, não confessional e não partidário. “Está aberto a todas as pessoas que consideram a política uma dimensão fundamental da vivência de sua fé, e a fé o horizonte de sua utopia política. Voltado para a construção de uma sociedade alternativa ao capitalismo neoliberal, o Movimento tem o objetivo de fomentar a reflexão política, a vida espiritual e a subjetividade daqueles que estão comprometidos com uma prática política e social. O Movimento Fé e Política pretende ser um serviço de formação e informação sobre questões de política, cultura, ecologia, ética e espiritualidade. Ele pretende reforçar e estimular a experiência dos grupos de reflexão, celebração e aprofundamento” (www.fepolitica.org.br).

 O Movimento Fé e Política inspira-se na construção de uma nova sociedade, o Reino já aqui neste mundo. Cada vez mais o Bom (ou Bem) Viver indígena, integrando seres humanos, animais, plantas e natureza, torna-se referência de vida e de construção de uma sociedade com valores como dignidade, amorosidade, valores que é preciso cultivar como se cultiva a tenra plantinha que teima em nascer ou se rega com leite e amor o Mateus que acaba de nascer. A partilha do pão e do poder,  com expressão máxima em Brasília, todos os poderes reunidos – Executivo, Legislativo, Judiciário – sem esquecer a mídia: na busca de uma política do bem comum, com ética e democracia.

Será um grande Encontro.  O convite é para todos e todas que buscam vida, e vida em abundância. Até novembro de 2013 haverá intensa preparação em todo o Brasil. Mateus, com sua mãe Meire e seu pai Eduardo, estará presente. E nos encherá, como no sábado 25 de agosto, de alegria, esperança e futuro.

* Selvino Heck é assessor especial da Secretaria Geral da Presidência da República, da Coordenação nacional do Movimento Fé e Política.