O estilo peculiar de Jorge Amado 

Numa das sessões da Academia Brasileira de Letras, na hora do chá, tive uma boa conversa com o escritor Jorge Amado, que conhecia desde os meus tempos de Manchete.  Ele costumava ceder à revista parte dos originais dos seus próximos livros, o que sempre se constituía em furos de reportagem.  Na ABL, o tema  era a televisão – e  se adaptações feitas de obras literárias desfiguravam ou não o seu sentido.  Ele simplificou o seu pensamento: “Cedo os direitos, mediante remuneração, e depois não quero nem ver o que fazem dele”.  É curioso que Rachel  de Queiroz, presente no papo, tinha esse mesmo pensamento.  Hoje, quando a Gabriela volta a fazer sucesso, na TV Globo, com uma inspirada adaptação de Walcyr Carrasco, ele mesmo um grande escritor, o assunto volta à baila, na recordação do convívio  acadêmico. 

Como se desenvolveu o estilo peculiar de Jorge Amado? O que o teria influenciado? Que escritores foram importantes para que ele criasse um jeito original de escrever, que tanto cativou os leitores brasileiros e estrangeiros? 

As respostas não são tão simples, já que o enquadramento da obra de Jorge Amado dentro de uma linha de pensamento baseada em estudos estilísticos deve ser uma tarefa  trabalhosa.  Basta observar que o período em que surge Jorge Amado, logo após a fase de contestação, de polêmicas e de busca de novos caminhos, iniciado em 1922, é marcado por “extraordinária floração e esplendor”, como bem definiu Afrânio Coutinho.  Por isso se torna difícil tentar compreender o estilo de Jorge Amado através de interpretações sociológicas ou teorias afins: corre-se o risco de não se ter a exata definição da arte do escritor baiano.  Também não fará sucesso aquele que tentar fazer um paralelo entre as obras e os fatos históricos ocorridos nos períodos em que foram produzidas.  Esses estudos críticos não levam em conta  que o autor, com sua liberdade de criação, com sua licença poética, muitas vezes preocupado com a sua “cria”, está além de fundamentações teóricas ou conceitos literários. Quer apenas desenvolver o seu romance, o seu conto, a sua poesia ou a sua crônica do jeito que a sua mente naquele momento está se propondo, numa viagem muito pessoal e intimista.  Ele criou o “estilo  jorgeamadiano”, muito pessoal, e foi muito feliz, legando ao Brasil obras inesquecíveis. 

Tudo começou, em 1931, com o lançamento do primeiro livro,  O país do carnaval.  As palavras escritas por Jorge Amado, naquela obra, já demonstravam que o escritor baiano seria uma voz polêmica na literatura brasileira. Vejamos: entre o azul do céu e o verde do mar, o navio ruma o verde-amarelo pátrio.  Três horas da tarde.  Ar parado.  Calor.  No tombadilho, entre franceses, ingleses, argentinos e ianques está todo o Brasil (Evoé, Carnaval).  Fazendeiros ricos de volta da Europa, onde correram  igrejas e museus.  Diplomatas a dar ideia de manequins de uma casa de modas masculinas... Políticos imbecis e gordos, suas magras e imbecis filhas e seus imbecis filhos doutores.  Lá no fundo, namorando o mistério das águas, uma francesa linda como as coisas mais lindas, aventureira viajada, que dizia conhecer todos os países e todas as raças, 

Editado pelo poeta Augusto Frederico Schmidt, o livro foi recebido por Rachel de Queiroz, sua grande amiga, com grande fervor.  Esta obra  guarda um fato histórico, triste e lamentável: foi queimado pela polícia do Estado Novo, em Salvador, em 1937, por Jorge Amado ter sido considerado um subversivo.

 

*Arnaldo Niskier, membro da Academia Brasileira de Letras, é presidente do CIEE-RJ.- [email protected]