Vida para todos

Iniciamos neste domingo a Semana Nacional da Família, quando comemoramos o Dia dos Pais. É uma ocasião importante para manifestar nossas convicções sobre a importância da família, por onde passa o “futuro da humanidade”, assim como o nosso compromisso do testemunho cristão familiar num tempo de mudanças e transformações.

Estamos também no clima da Jornada Mundial da Juventude, que já acontece na Espanha com as pré-jornadas e que culminará no final de semana com a presença do santo padre, o papa Bento XVI, atendendo, pregando e celebrando com a juventude do mundo em Madri.

É dentro deste contexto vocacional, que nos inspira este mês, que somos iluminados pelo Evangelho deste domingo que fala da grande fé de uma mulher pagã, a quem Jesus cura a filha endemoninhada (Mateus 15,22). Jesus foi para a região de Tiro e Sidônia, e essa mulher cananeia vai ao encontro do Senhor, implorando-lhe, com gritos para curar sua filha: "Tende piedade de mim, Senhor" (v. 22). Essa petição, na verdade, é uma profissão de fé cristã. Ela, portanto, reconhece em Cristo o Messias, o Senhor. Com a intercessão dos discípulos e com o reconhecimento de que, mesmo tendo a missão inicial de reunir as “ovelhas perdidas”, o Senhor encontra nessa representante dos gentios a abertura para anunciar a universalidade da Salvação. Foi ocasião de mostrar ao mundo a misericórdia de Deus e proclamar que a fé transcende todas as barreiras de raça que encontramos já em Isaías (56,6), que lemos na primeira leitura, e constatado por Paulo em Romanos (11,13) proclamado na segunda leitura deste domingo. É a fé em Cristo que permite o acesso à mulher, no reino à mesa com Abraão, Isaac e Jacob.

Queridos irmãos, como a mulher cananeia, nós também somos chamados por Jesus para amadurecer a semente da fé plantada em nós no dia do batismo. É o ensinamento de amor, em que o Mestre, embora possa parecer distante, impassível diante das nossas necessidades reais, sustenta a nossa fé. Mas, como ele mantém e reforça a nossa fé? Antes de tudo, pelo apelo constante à oração, verdadeiro encontro com Deus, quando os cristãos, ao ouvirem a voz de Deus e tentando fazer a sua vontade, testemunham e vivem esse encontro transformador com Jesus, e a participação nos sacramentos, especialmente a eucaristia, onde, ao comer a carne do Cordeiro que foi imolado, participamos na mesa eterna, antecipação de participação na vida divina. Nesses dois lugares, portanto, o Senhor faz agir em nós a pedagogia da iniciação no Reino, ou seja, a capacidade para obter a salvação.

Ao pedido insistente da mulher, a resposta de Jesus é clara: "Seja feito como tu queres". A mulher cananeia que encontramos no Evangelho de hoje é um exemplo maravilhoso de oração fervorosa e de fé apaixonada e clara. O exemplo é particularmente reluzente, porque é oferecido por uma pessoa que vem do paganismo. É bom pensar que o amor de uma mãe é tão intenso, e quase sagrado, que torna ainda mais forte a oração e firme a fé. Essa mãe que pede a cura de sua filha "atrozmente atormentada por um demônio", é como um protótipo para todas as mães, que lutam continuamente para obterem a saúde física e espiritual de seus filhos. Lembra-nos que um grão de fé é suficiente para mover montanhas e arrancar autênticos milagres do Senhor. Isso nos ensina que devemos dirigir uma dupla invocação a Cristo Jesus: "Aumenta a nossa fé", e "Senhor, ensina-nos a orar”!

Que a Semana Nacional da Família e a Jornada Mundial da Juventude sejam momentos de profunda vivência em nossas comunidades. Rezemos especialmente pelos jovens: para que este momento eclesial seja um reflorescimento para a vida da Igreja e um incentivo para testemunharem e anunciarem o Evangelho da vida.

Dom Orani João Tempesta, O. Cist., é arcebispo do Rio de Janeiro