Sábio, o eleitor pediu mais tempo para pensar

O eleitor brasileiro mostrou suas várias faces neste primeiro turno. Para o bem e para o mal, exibiu sua revolta, seu engajamento, seu discernimento e sua alienação nas cabines de votação espalhadas de Norte a Sul. Na sua vontade soberana, quis o eleitorado que Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB) disputassem ainda uma última rodada de embates para que seja decidido qual dos dois ocupará o Palácio do Planalto entre 2011 e 2014. Agora, os dois mais votados terão oportunidade de debater e explicar melhor suas ideias e projetos. Ao mundo, o Brasil dá uma importante lição sobre eleições em dois turnos: vota-se em quem se acredita, e não naquele que parece ser o menos pior. Vota-se a favor de alguém e não contra determinado candidato. Pode-se especular sobre as razões que determinaram a redução da dianteira apresentada pela candidata petista até recentemente. Denúncias de corrupção na Casa Civil, nervosismo e mau desempenho nos debates televisivos, autossuficiência na reta final da campanha, desempenho abaixo da expectativa no Nordeste... Da mesma forma, há muitas teorias para a ressurreição da candidatura de José Serra. Bom desempenho na TV, apoio às vezes explícito de alguns meios de comunicação, sabedoria para aproveitar os flancos abertos pelo governo federal, crescimento da candidatura de Marina Silva (PV)... Mas essas dúvidas importam menos do que uma certeza: hoje começa uma nova eleição. Dilma e Serra partem em igualdade de condições em busca da Presidência da República, embora o tucano entre com o ânimo renovado e a candidata do presidente Lula, com uma indisfarçável ressaca por ter visto escapar a vitória. Marina Silva (PV), com seus cerca de 20% do eleitorado, será o fiel da balança. Embora ex-petista e ex-ministra de Lula, reuniu votos que podem certamente migrar para o PSDB. Conquistá-los será o primeiro teste para as habilidades de Dilma como negociadora política. Vencedor, até agora, só o povo brasileiro, que decidiu pensar um pouco mais sobre aquele a quem entregará, no próximo dia 31, os destinos da Nação e seu próprio futuro.