Para fabricante, a mistura de energéticos com bebidas alcoólicas não faz mal à saúde

O estudo assinala que os energéticos contêm bastante cafeína e podem levar ao desenvolvimento de outros problemas, além da perda de sono.

Uma importante preocupação, por exemplo, é o fato de que a mistura de energéticos com bebidas alcoólicas ocasiona um estado de “embriaguez desperta”, na qual a cafeína mascara a sensação de embriaguez sem reduzir os prejuízos causados pela letargia.

O resultado é que o usuário se sente menos bêbado do que realmente está, o que pode levá-lo a consumir quantidades ainda maiores de bebida.

Apesar disso, os pesquisadores observam que os resultados reforçam a necessidade de maiores investigações sobre os possíveis efeitos negativos das bebidas energéticas e dos riscos de seu consumo misturado ao álcool.

– A cafeína não anula os prejuízos associados à embriaguez, ela apenas disfarça os marcadores mais óbvios desse estado – declara a autora da pesquisa, Amelia Arria, da Universidade de Maryland.

– O fato de não haver regulação a respeito da quantidade de cafeína nas bebidas energéticas é desconcertante.

O estudo, no entanto, causou controvérsias.

Segundo a Red Bull, conhecida empresa fabricante de energéticos, o estudo não determina que bebidas energéticas estimulem o consumo de álcool.

Para a empresa, “os dados desta pesquisa, como os de Com o energético, a pessoa sente menos o efeito da bebida e acaba ingerindo mais álcool qualquer outra, mostram que energéticos podem ter qualquer relação com o estímulo ao uso abusivo de bebidas alcóolicas”.

Eles observam, ainda, que “o consumo de bebidas energéticas, combinado com bebidas alcoólicas, não é recomendado, conforme indicado na lata do produto.

Porém, não há registros de que a mistura possa causar qualquer mal à saúde”.

Com a Agência Fapesp.